OBJETIVO GERAL


OBJETIVO GERAL:
Evangelizar a partir de Jesus Cristo e na força do Espírito Santo, como Igreja discípula, missionária, profética e misericordiosa, alimentada pela Palavra de Deus e pela Eucaristia, à luz da evangélica opção preferencial pelos pobres, para que todos tenham vida (Jo 10,10), rumo ao Reino definitivo.


quinta-feira, 25 de agosto de 2011

Pastoral Litúrgica Diocesana

Realizou-se nos de 26 até 31 de Julho 2011, o IV Mutirão de Liturgia, no Centro Diocesano “João XXIII”, em Zé Doca-MA. O tema deste ano: “Mistagogía dos Ritos: gestos, símbolos e dança litúrgica”, com a assessoria de Pe. João Filho, Josidete e Maria Raimunda, colaboradores da “Rede Celebra”.

Este Mutirão foi um desafio, porque não estávamos reunidos para aprender assuntos de Liturgia, mas sim para vivenciar a Liturgia. Esse é o sentido fundamental do termo “Mistagogia”, antes palavra desconhecida à maioria dos participantes, mas que depois dessa vivencia todos entendemos no seu significado certo.

“Mistagogia” é uma palavra derivada da língua grega, composta de duas partes: “mista” e “gogía”; “mist” lembra o mistério e “gogia” tem a ver com “conduzir”, “guiar”. Podemos traduzir: “a ação de guiar para dentro do mistério”. Na “Mistagogia” está em jogo a nossa relação com o Mistério de Deus, que é o mistério da nossa própria vida e da historia. Ninguém consegue explicar Deus, por isso é necessário que sejamos “iniciados” no mistério, não somente com palavras, mas principalmente através de ações simbólicas, através de ritos. No sentido original, são os ritos (as celebrações litúrgicas) que têm esta função mistagogica de nos conduzir para dentro do Mistério. Na nossa Liturgia cada palavra, cada gesto, cada movimento... “contém” o Mistério e nos faz mergulhar nele: no Mistério de Deus, no mistério da vida, em nosso próprio mistério. Por isso, nós temos ritos que não podem ser mudados! Cada Rito tem seu significado e permanece em si mesmo, mesmo que sejam presididos por pessoas diferentes (infelizmente foi ressaltado que cada Padre “faz” os seus ritos...).

Na Liturgia nada se proíbe, mas nem tudo convém! Liturgia é vida, vida digna para toda a humanidade. Jesus Cristo está sempre em sua Igreja, sobretudo nas ações litúrgicas (SC, 7) e o serviço e o ministério que exercemos em nossas celebrações não são em nosso nome, mas em nome dele, Jesus Cristo, pois Ele mesmo disse: “Onde dois ou três estiverem reunidos em meu nome, aí estarei no meio deles” (Mt 18,20).

Irmã Maria Luisa Sanna (A.S.F.)
Coordenadora Diocesana da Pastoral Litúrgica

Um comentário:

  1. Fico feliz pelo amor, zelo e carinho demonstrado por todos aí em Zé Doca pela liturgia no artigo acima. Que a caminhada seja iluminada pelo Santo Espírito e protegida pela mãe de Deus e nossa, Maria Santíssima.
    A todos muita paz...!
    xoffé, rede celebra, pelo núcleo Fortaleza
    Nosso email:
    comunicacelebra@hotmail.com

    ResponderExcluir