OBJETIVO GERAL


OBJETIVO GERAL:
Evangelizar a partir de Jesus Cristo e na força do Espírito Santo, como Igreja discípula, missionária, profética e misericordiosa, alimentada pela Palavra de Deus e pela Eucaristia, à luz da evangélica opção preferencial pelos pobres, para que todos tenham vida (Jo 10,10), rumo ao Reino definitivo.


sexta-feira, 28 de setembro de 2012

HISTÓRICO DOS DOIS DIÁCONOS  QUE SERÃO ORDENADOS PRESBÍTEROS NESTE FINAL DE SEMANA


MÁRCIO JÚNIOR DE JESUS SODRÉ

Nasceu aos três de Abril de 1982, em São José de Pirucaua – Godofredo Viana. Filho de Juscelino de Jesus Silva Lima e Dona Raimunda de Jesus Sodré. Pai adotivo, Manuel Godêncio Pinheiro Costa. Aos 06 do mês de Outubro de 1996 na capela de Genipapo – Godofredo Viana o Pe. Carlo Semeria o batizou solenemente. Foram os padrinhos: Martinho Correia Souza e Isabel de Assunção.

A sua primeira comunhão se em Aurizona – Godofredo Viana no dia 10 do mês de Dezembro de 1997 na Igreja de Nossa Senhora do Perpetuo Socorro. Crismou-se na Igreja de São Francisco de Assis na cidade de Bom Jardim no dia 20 de Novembro de 2004, tendo como celebrante Dom Carlo Ellena atual bispo da diocese de Zé Doca.

Iniciou os estudos de ensino fundamentais em 1993 em Aurizona e concluiu o mesmo em 2001, na cidade de Godofredo Viana na Unidade Integrada Benedita Jorge. Em 2002 ingressou no Seminário Menor Sagrada Família em Zé Doca, onde realizou sua formação em nível médio e sua formação para ingressar no seminário Maior Dom Guido Maria Casullo em São Luís. De 2005 a 2007 realizou-se os seus estudos filosóficos. Após três anos de preparação e muito discernimento vocacional, inicia sua formação teológica, concluindo a mesma em 2011. E ordenado diácono dia 20 de abril do ano corrente na Cadetral de Santo Antônio.

Atualmente, está em Carutapera juntamente com o Pe. Reginaldo e Pe. Mario Racca numa experiência pastoral.


ELINALDO CARDOSO NUNES


Filho de Francisco Eduardo e Terezinha. Nasceu em Zé Doca- MA; Foi batizado na Capela de São Raimundo Nonato no bairro Vila Barroso, aonde iniciou a catequese. Estudou da 1 a 4 série na Escola Municipal Silvestre Fernandes Rocha e a 6 .e 7. na Unidade Escolar Nelson Serejo de Carvalho, popular CEMA.

Em 4 de Fevereiro de 1998 sua família se muda de Zé Doca para a cidade de Cândido Mendes. Nesta nova cidade se dedica na catequese aonde recebe a crisma em 17 de dezembro de 2000. Depois se torna catequista e coordenador do grupo de jovens da Comunidade Santa Teresa D'àvila.

Em 2002 retorna a Zé Doca, aonde ingressa no Seminário Menor Sagrada Família em 26 de Janeiro de 2002 e conclui o Ensino Médio no Instituto Fundamental Brasileiro em 2003.

Em 2004 ingressa no Seminário Maior Dom Guido Maria Casullo em São Luís aonde conclui o Curso de Filosofia em 2007 no Instituto de Estudos Superiores do Maranhão - IESMA. Entre 2008 a 2011 faz o Curso de Teologia.

Recebe o ministério de Acólito e Leitor em 11 de Dezembro de 2009 e é admitido as Ordens Sagradas em 30 de Setembro de 2011. E ordenado diácono dia 20 de abril do ano corrente na Cadetral de Santo Antônio.

Desde 02 de Janeiro do corrente ano faz seu estágio pastoral na Paróquia de Governador Newton Bello.

terça-feira, 25 de setembro de 2012


ZÉ DOCA: UMA FESTA QUE DURA QUATRO ORDENAÇÕES


É bonito: como todas as festas. A Ordenação presbiteral de três Diáconos mexe com a Diocese toda: padres, religiosos, religiosas, parentes dos Ordenandos, povo de Deus espalhado em tantas comunidades.
É saudável: para a Igreja particular de Zé Doca, para a Igreja toda espalhada pelo mundo afora, pelos jovens que respondem “sim” a Deus incluindo familiares e amigos,
É uma esperança: para o povo destas terras. A presença de mais quatro jovens comprometidos com o Reino faz sonhar alto e com justificativa.
É um sonho realizado: para os Ordenandos aos concluírem o tempo de formação se tornando padres e diácono; para a Igreja de Zé Doca que, aos poucos, pode contar com evangelizadores locais para anunciar o evangelho aos conterrâneos; para o Bispo e para os Padres por poder contar com novas forças, vivas e dedicadas à construção do Reino.
Obrigado, Senhor, por estes dons tão grandes !!!
  
PASSOS DA NOSSA ALEGRIA – CONVITE

1°. DIÁCONO MÁRCIO JUNIOR DE JESUS SODRÉ
Ordenação no dia 29 de setembro de 2012
Na Igreja Matriz de Godofredo Viana
Ás 18 horas.
Antes, às 17 horas, haverá o jantar.
Primeira Missa: em Aurizona no dia 30 às 19,00 horas
DIÁCONO ELINALDO CARDOSO NUNES
Ordenação dia 30 de setembro de 2012
Na Igreja Matriz de Cândido Mendes
Às 9,00 horas.
Antes, às 8,00 horas, haverá o café da manhã.
Primeira Missa: em Cândido Mendes no dia 30 às 19,30 horas.
DIÁCONO PEDRO EDUARDO SILVA LIRA
Ordenação dia 12 de outubro de 2012
Na Catedral de Zé Doca
Às 18,00 horas
Antes, às 17,00 horas, haverá janta nas Comunidades
Primeira Missa: em Zé Doca, no dia 13 de outubro, às 9,00 horas.

Na mesma Celebração da Ordenação Sacerdotal do Diácono Pedro Eduardo, 12 de outubro de 2012, será Ordenado Diácono o Seminarista SARIS RIBEIRO VERDE.


sexta-feira, 21 de setembro de 2012



"VOTAR É UMA DAS TAREFAS MAIS  IMPORTANTES DO MUNDO", afirma Pedro  Gontijo, secretário executivo da CBJP


Dia 7 de outubro, aproximadamente de 140 milhões de brasileiros vão às urnas para eleger prefeitos e vereadores. Entender o que faz um prefeito e um vereador pode parecer simples, mas ajuda na hora do voto a escolher o candidato ideal para a sua região. 
O prefeito é, acima de tudo, um representante da comunidade, devendo assim ouvir os anseios e as suas reivindicações. Além disso, ele tem a responsabilidade de buscar apoio financeiro dos governos Estadual e Federal, com o objetivo de promover melhorias no município que administra. Já os vereadores são a ponte entre a população e o prefeito, além de fiscalizar o trabalho do Executivo. São eles os responsáveis pela elaboração das leis municipais. 
Segundo o secretário executivo da Comissão Brasileira Justiça e Paz (CBJP), organismo vinculado à Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), Pedro Gontijo, são três os aspectos relevantes que um eleitor deve levar em consideração antes de votar em um candidato. O primeiro é a vida pregressa do candidato, os pensamentos e propostas de campanhas e por último o cociente eleitoral. 
“Votar é uma das tarefas mais importantes do mundo, afinal de contas, o que se escolhe numa eleição é a gestão para os próximos quatro anos na sua cidade. Voto é algo sério, tem consequência, por isso a necessidade de averiguar a vida pregressa dos candidatos, para ver se a vida deles, tanto no aspecto privado quanto público, pode ser considerada digna de confiança do eleitorado. Deve-se verificar também como este candidato vive em comunidade, como ele pensa as relações de gênero, de juventude, de família, e depois verificar os aspectos de vida pública, o seu envolvimento com o poder público”, explicou Pedro. 
Ainda de acordo com o secretário executivo da CBJP, o eleitor deve identificar o que este candidato apoia ideologicamente. “Assim o eleitor analisa as propostas defendidas por seu candidato e seu partido e são propostas condizentes com que o eleitor deseja. Mas o voto consciente vai mais longe ainda. O eleitor deve observar os nomes que fazem parte da coligação que este candidato está filiado, pois, o seu voto pode ajudar a eleger o seu candidato, mas também, pode eleger pessoas que ele não gostaria que estivessem à frente politicamente de sua região, que entram no chamado sistema proporcional – uma matemática feita entre o chamado quociente eleitoral e o quociente partidário -, já que o voto que um vereador recebe conta para o partido e para a coligação”. 
Campanha Voto Consciente 
Sobre a campanha lançada pela Conferência dos Bispos do Brasil, com apoio do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), intitulada Voto Consciente, Pedro Gontijo ressaltou que a campanha é “extremamente pertinente, atual e importante, pois a cultura democrática no Brasil ainda é muito nova. Estamos no processo inicial de aprendizado do voto. Muita gente não sabe como funciona o coeficiente eleitoral, o que faz um prefeito, um vereador, então a campanha Voto Consciente veio como uma proposta educativa, como mais uma ferramenta no auxílio da conscientização do eleitorado brasileiro”. 
Como é eleito um prefeito? 
Diferentemente dos vereadores, os candidatos à prefeitura são eleitos de acordo com um sistema eleitoral majoritário, onde é preciso obter mais de 50% dos votos válidos (excluídos brancos e nulos). Caso nenhum candidato atinja essa maioria, os dois mais votados disputam um 2º turno, mas somente nos municípios com mais de 200 mil eleitores e nos casos em que o 1º turno tenha sido disputado por pelo menos 3 candidatos. 
Como é o processo para um vereador ser eleito e como é feita a divisão entre os partidos? 
Um vereador é eleito de acordo com um sistema proporcional – uma matemática feita entre o chamado quociente eleitoral e o quociente partidário. Quociente eleitoral é o número obtido através da divisão entre a soma dos votos válidos (excluídos brancos e nulos) e o número de vagas disponíveis na câmara de cada cidade. Funciona assim: em uma cidade há oito vagas para vereador e quatro partidos concorrem a elas (A, B, C e D). A legenda A obteve 2.000 votos, a B, 350, a C, 2.900, e a D, 2.550 votos. Um total de 7.800 votos válidos. Dividindo esse total pelo número de vagas (7.800/8), obtêm-se um quociente eleitoral de 975. Assim, de acordo com a lei vigente, apenas as legendas A, C e D conseguiram votos suficientes para atingir o quociente eleitoral e terão direito a preencher as vagas disponíveis. Quociente partidário é número obtido dividindo-se o quociente eleitoral pelo número de votos válidos dados para uma mesma legenda ou coligação de legendas. No exemplo dado, o partido A teria seus 2.000 votos divididos por 975 (quociente eleitoral), o que lhe renderia duas vagas na Câmara Municipal – já que a lei determina que seja descartada a fração. Ocupariam tais vagas os dois candidatos mais votados na eleição. 


segunda-feira, 10 de setembro de 2012

NA OCASIÃO DO RETORNO DE FREI DOM LUÍS D’ANDREA NA CASA DO PAI

Valeu a pena, Dom Luís 
Quando recebi a notícia do falecimento de Dom Luís D’Andrea no dia 8 de setembro de 2012 em Roma, confesso que a minha imaginação ficou solta e vagou durante um bom tempo.
O Paraíso não é um lugar físico que se possa indicar com as famosas coordenadas geográficas levando em conta os meridianos e os paralelos. É um modo para indicar onde está Deus e quantos merecem, no fim da vida, viver e gozar da presença dele. Está no Evangelho.
Dom Luís ao entrar na casa do Pai, o Paraíso, certamente desencadeou uma grande festa.
Os anjos, entidades a serviço de Deus e dos homens, se alegraram por receber mais um filho de Deus para morar definitivamente com eles.
O Pai, o Filho e o Espírito Santo receberam de braços abertos, num abraço bem apertado e cheio de comoção, um filho por eles criado, chamado a uma grande missão, nos quase oitenta anos de existência, cumprida com carinho, dedicação e totalmente dedicada ao serviço dos homens. Dom Luís se deixou trabalhar por Deus, que fez dele uma obra-prima: evangelizador, humilde, servidor dedicado e fraterno: ele espalhou pelo mundo bondade e serenidade. Sofreu com certeza, em alguns momentos, mas a ajuda de Deus o sustentou e venceu.
Imagino o encontro de Dom Luís com o Pai Francisco de Assis. Os dois “franciscanos” trocando abraços, sorrisos, fortes apertos de mão; um olhando nos olhos do outro partilhando alegria e satisfação do dever cumprido; um comunicando ao outro a alegria de ter investido os dons recebidos de Deus para o bem da humanidade; um contando ao outro a beleza de uma vida cristã vivida a plenos pulmões.
Os encontros continuaram e nunca irão acabar: São Pedro, Nossa Senhora, São Paulo, familiares e outros companheiros de vida franciscana, amigos conhecidos, evangelizados e servidos nestas terras do Maranhão, inclusive muitos de Zé Doca encaminhados e acompanhados por ele no caminho da salvação.
Talvez, lá no Paraíso, algumas lágrimas escorreram dos olhos de Dom Luís: afinal se pode também chorar de alegria e a do reencontro é tamanha que só o céu pode contê-la. Aqui, em Zé Doca, em Caxias, na Ordem franciscana, as lágrimas significam ainda a tristeza de ter perdido – mas não por muito tempo – um amigo que só fazia pensar em Deus.
Valeu a pena, Dom Luís. Valeu mesmo.
Descanse em paz.




DIOCESE DE CAXIAS – MARANHÃO
CNPJ: 06.083.505/0001-43
Praça Magalhães de Almeida, 744 – Centro
CEP:65606-060 – Caxias – Maranhão
Caixa Postal, 54
Fone/Fax: (0XX99) 3521-1658

NOTA OFICIAL DE FALECIMENTO DE DOM LUIS d’ANDREA, OFM Conv.

É com pesar que comunico a morte de nosso querido irmão D. Luis d’Andrea,OFM Conv, bispo emérito de Caxias do Maranhão, no dia 8 de setembro de 2012, em Roma, às 8:30h, no horário de Brasília.

Dom Luis nasceu em 23 de fevereiro de 1934, na Itália e em 1968 veio trabalhar como missionário no Brasil. Foi ordenado bispo aos seis de janeiro de 1988 e exerceu a missão de bispo de Caxias do Maranhão até 19 de junho de 2010, com o lema: Justitia et Pax.

Dom Luis estava de férias, na Itália, desde abril de 2012.

Comunico que estamos decretando luto oficial de 30 dias em toda a diocese, de oito de setembro a oito de outubro, com as seguintes celebrações:

Dia 14 de setembro, missa de sétimo dia na catedral, às 19:00h e em todas as paróquias da diocese.

Dia 25 de setembro, às 19:00h, missa com todos os sacerdotes, diáconos, irmãs religiosas e representantes de todas as paróquias, na catedral Nossa Senhora dos Remédios, em Caxias.

Dia 8 de outubro, missa de 30º dia na catedral, às 19:00h e em todas as paróquias da diocese.

As almas dos fiéis defuntos, pela misericórdia de Deus, descansem em paz. Amém.

Dom Vilsom Basso, SCJ
Bispo de Caxias do Maranhão


Caxias do Maranhão, 8 de  setembro de 2012

domingo, 9 de setembro de 2012


Seminaristas de Zé Doca celebram jubileu de ouro de dom Carlo Ellena
A comunidade formativa do seminário Dom Guido Maria Casullo, da diocese de Zé Doca se reuniu na noite desta quinta feira, 31 de agosto, para celebrar junto com amigos o jubileu de ouro sacerdotal de seu bispo dom Carlo Ellena.

A comunidade formativa do seminário Dom Guido Maria Casullo, da diocese de Zé Doca se reuniu na noite desta quinta feira, 31 de agosto, para celebrar junto com amigos o jubileu de ouro sacerdotal de seu bispo dom Carlo Ellena, relembrando o dia de 29 de junho de 1962, na catedral de Turim onde Carlo Ellena e mais 26 companheiros foram ordenados padres pela imposição das mãos do reverendíssimo dom Maurílio Fossati.
Em novembro de 1974 o Pe. Carlo Ellena chega ao Brasil, mais precisamente na então prelazia de Candido Mendes atual diocese de Zé doca para atuar na cidade de Carutapera, posteriormente transferido para a paróquia de são João Batista na cidade de Luís Domingues, onde atuou por 19 anos.
No final de 1993 retorna para a Itália, exercendo também lá seu ministério sacerdotal. No final da década de 90 retorna ao Brasil para trabalhar na diocese de Ponta de Pedras, localizada na ilha do Marajó, atuando como reitor do seminário maior daquela diocese em Belém, contribuindo assim com a formação do clero daquela diocese.
Em 2001 passou a exercer as funções de Secretário Executivo da CNBB Regional Nordeste 5, ficando até 2004, quando no dia 18 de fevereiro, foi eleito bispo diocesano de Zé Doca, sendo ordenado na catedral de santo Antonio daquela diocese no dia 12 de junho de 2004, tendo como ordenante principal o cardeal de Turim dom Severino Poletto. Ao longo desses oito anos de episcopado à frente da diocese dom Carlo tem realizado muitos feitos, entre os quais, a ordenação de 11 diáconos e oito sacerdotes.