OBJETIVO GERAL


OBJETIVO GERAL:
Evangelizar a partir de Jesus Cristo e na força do Espírito Santo, como Igreja discípula, missionária, profética e misericordiosa, alimentada pela Palavra de Deus e pela Eucaristia, à luz da evangélica opção preferencial pelos pobres, para que todos tenham vida (Jo 10,10), rumo ao Reino definitivo.


segunda-feira, 15 de outubro de 2012


HOMILIA
Ordenação Presbiteral de
ELINALDO CARDOSO NUNES
Cândido Mendes, 30 de setembro de 2012


1.    A nossa Igreja de Zé Doca, neste ano de 2012, está sendo agraciada com a ordenação de três Sacerdotes que concluíram os estudos, a formação Oficial (porque a verdadeira formação nunca acaba, todos sempre estamos em estado de formação). A experiência pastoral nas periferias de São Luís e numas das nossas Paróquias: a nós nos parecem prontos para abrir as asas e iniciar o grande vôo pelo qual se prepararam: a grande e bonita aventura do Ministério ordenado a completo serviço dos fiéis.

2.      O Seminário foi um momento – quero dizer: anos – de bastante reflexão, de trabalho formativo junto com os formadores, de oração. Não sempre foi fácil porque a formação exige também cortar na própria carne para modificar atitudes, aceitar rumos novos, disciplina que freqüentemente mortifica a nossa liberdade e a nossa vontade. Mas o trabalho e os resultados estão aí, na frente do povo de Deus. Nos pareceu a nós e nos parece que o Espírito Santo aprova e aprovou os resultados, que ainda não terminaram e estão ainda imperfeitos, mas estão bem encaminhados: todos sabemos que a formação de todos nós é contínua e só termina com a morte. Aí será o bom Deus que nos aprovará na nossa formação e no nosso trabalho. Mas um trabalho bonito e sério foi feito no Seminário: é o que nos alegra e dá a garantia humana e moral da preparação em vista do Sacerdócio.

3.      Ontem foi o Márcio Junior que se tornou Padre; hoje é a vez do companheiro dele Elinaldo a ser Ordenado. Estão cheios de poderes: consagrar a Eucaristia, perdoar os pecados, ser anunciadores da Palavra de Deus... cheios também de deveres: oração que se concreta na reza do Ofício Divino rezado todos os dias para eles mesmos, para os fiéis e para a Igreja toda; trabalho desinteressado; dedicação total e irrestrita ao povo a eles confiado pela Igreja. Não faltará a ajuda de Deus, do Espírito Santo que continua trabalhando de forma incansável na Igreja. Não faltará a amizade sacerdotal do Presbitério, quer dizer do Bispo e dos outros Padres da nossa Diocese. Não faltará a oração constante do povo de Deus das Paróquias, dos Seminários, Religiosos/as e dos familiares. Por isso dá para começar esta caminhada, confiar nos bons resultados...  tudo para a Maior Glória de Deus, como dizia Santo Inácio de Loyola.     

4.      Se ontem à noite, na homilia pela Ordenação do Padre Márcio Junior aqui presente, eu quis frisar a dimensão mais importante do sacerdote da Igreja Católica, que é a evangelização, hoje gostaria me deter sobre a atitude essencial do Sacerdote, atitude que faz dele o verdadeiro sacerdote de Cristo que imita o Mestre e se torna ele mesmo um “alter Christus”, um outro Cristo.

- Estou me referindo à atitude essencial do sacerdote: o serviço, a disponibilidade, o sentir com os fiéis as mesmas dores e as mesmas alegrias.
- Estou me referindo ao fato que o Sacerdote não é tal para si mesmo, e sim para o povo.
- Estou me referindo ao fato que o Sacerdote não pode e não deve viver isolado, ilhado, preocupado apenas  em si e nos seus interesses. Ele é feito para os outros. São Paulo, na I Coríntios, 3,5 escreve: “Pois o que é Apolo? O que é Paulo? Não passam de servidores, pelos quais chegastes à Fe”. Numa palavra: o Sacerdote é servidor do Evangelho.

   5.    Domingo passado Jesus, se dirigindo aos Apóstolos que “tinham discutido quem era o maior..., chamou os doze e lhes disse: se alguém quiser ser o primeiro, que seja o último de todos e aquele que serve a todos. Em seguida, pegou uma criança, (a criança naquele tempo representava os mais desamparados, pobres, desprotegidos) colocou-a no meio deles e, abraçando-a, disse: Quem acolher em meu nome uma destas crianças é a mim que estará acolhendo. E quem me acolhe está acolhendo não a mim, mas aquele que me enviou” Mc 9,35.

6.  Na I Cor: 4,1-16 Paulo escreve: “Irmãos, que todo mundo vos considere como servidores de Cristo e   administradores dos mistérios de Deus. A este respeito, o que se exige      dos administradores é que sejam fiéis... Irmãos, apliquei  esta doutrina a mim e a Apolo, por causa de vós, para que o nosso exemplo vos ensine a não vos inchar de orgulho, tomando o partido de um contra outro... O que tens que não tenhas recebido? Mas, se recebeste tudo que tens, por que, então, te glorias, como se não o tivesses recebido?... Escrevo-vos tudo isso, não com a intenção de vos envergonhar, mas para vos admoestar como meus filhos queridos...”

7.   Qualquer atividade pastoral e evangélica ela deve ser encharcada de espiritualidade bíblica; ela deve transmitir as verdades do Catecismo da Igreja Católica. Ele, Elinaldo, se preparou para ser lançado no meio do povo com um espírito e uma formação que possa ajudar o povo a se tornar ele também servidor, altruísta, compartilhador das dores e alegrias dos outros.

   8.  O Sacerdote não é, na mente da Igreja, aquele que chegou a ter um “status”, uma posição privilegiada na sociedade, de honra e, por isso, gozar ou pretender submissão irrestrita, obediência cega priva de qualquer possibilidade de discussão ou respeitosa discordância. Ele deve ser o conciliador, sem colocar em risco a verdade; ele deve ser o amigo de todos com aquela amizade verdadeira que chega até ao ponto de chamar atenção, fazer uma discreta e amigável pressão, orientando sempre aos valores evangélicos.

9.  A composição, que vou propor, diz, em forma muito poética e com poucas palavras, quem é, quem deve ser o Sacerdote. É um texto manuscrito do século XI, mais ou menos 800 anos atrás, mas válido até agora e para sempre.

O SACERDOTE
Um sacerdote deve ser ao mesmo tempo pequeno e grande,
nobre de espírito, como de sangue real,
simples e natural, como de raiz sertaneja,
um herói da conquista de si mesmo,
um homem que lutou com Deus,
uma fonte de santificação,
um pecador que Deus tenha perdoado,
de seus desejos o senhor,
um servidor dos tímidos e fracos,
que não se abaixa diante dos poderosos,
mas se curva diante dos pobres,
discípulo de seu Senhor,
guia de seu rebanho,
um mendigo de mãos generosamente abertas,
um portador de inúmeros dons,
um homem no campo de batalha,
uma mãe para confortar os doentes,
com a sabedoria da idade
e a confiança de um menino,
voltado para o alto,
os pés na terra,
feito alegria,
revestido de gratidão,
especialista do sofrer,
longe de toda inveja,
visionário profeta,
que fala com franqueza,
um amigo da paz,
um inimigo da inércia,
fiel para sempre...
Assim tão diferente de mim!  
                                                     (Manuscrito medieval)

Nenhum comentário:

Postar um comentário