OBJETIVO GERAL


OBJETIVO GERAL:
Evangelizar a partir de Jesus Cristo e na força do Espírito Santo, como Igreja discípula, missionária, profética e misericordiosa, alimentada pela Palavra de Deus e pela Eucaristia, à luz da evangélica opção preferencial pelos pobres, para que todos tenham vida (Jo 10,10), rumo ao Reino definitivo.


terça-feira, 20 de janeiro de 2015

Hoje é dia de São Sebastião!

As paróquias de Araguanã e Carutapera estão em festa, pois hoje celebram o encerramento de suas festividades em honra a São Sebastião.  

Conheça um pouco da história de São Sebastião:

O nome São Sebastião deriva do grego sebastós, que significa divino. Originário de Narbonne e cidadão de Milão, foi um mártir e santo cristão, morto durante a perseguição levada a cabo pelo imperador romano Diocleciano.

De acordo com a tradição oral, atribuídos a Santo Ambrósio de Milão, Sebastião era um soldado que teria se alistado no exército romano por volta de 283 d.C. com a única intenção de afirmar o coração dos cristãos, enfraquecido diante das torturas. Era querido dos imperadores Diocleciano e Maximiliano, que faziam tudo para tê-lo sempre por perto e, por isso, o designaram capitão da sua guarda pessoal conhecida na época de Guarda Pretoriana.

São Sebastião nunca deixou de ser um cristão convicto e ativo. Fazia de tudo para ajudar os irmãos na fé, procurando revelar o Deus verdadeiro aos soldados e aos prisioneiros. Secretamente, Sebastião conseguiu converter muitos pagãos ao cristianismo. Até mesmo o governador de Roma, Cromácio, e seu filho, Tibúrcio, foram convertidos por ele.

Por volta de 286, Sebastião foi denunciado, pois estava contrariando o seu dever de oficial da lei. Teve, então, que comparecer ante o imperador para dar satisfações sobre o seu procedimento. O imperador se queixou de que tinha confiado nele, esperava dele uma brilhante carreira e a sua conduta branda para com os prisioneiros cristãos era inaceitável. Portanto, o imperador o julgou como traidor e ordenou a sua execução por meio de flechas. Diante do Imperador, Sebastião não negou a sua fé.

Amarrado a um tronco, foi varado por flechas, na presença da guarda pretoriana. Foi dado como morto e atirado no rio, porém, Sebastião não havia falecido. Encontrado e socorrido por uma viúva chamada Irene (futura Santa Irene) que retirou as flechas do peito de Sebastião e o tratou.

Assim que se recuperou, demonstrando muita coragem, se apresentou novamente diante do Imperador, censurando-o pelas injustiças cometidas contra os cristãos, acusando-o de inimigo do Estado. Perplexo com tamanha ousadia, Diocleciano ordenou que os guardas o açoitassem até a morte. O fato ocorreu no dia 20 de janeiro de 288, por isso comemoramos seu dia nesta data. Acabou sendo morto transpassado por uma lança.

São Sebastião Rogai por Nós!

sábado, 10 de janeiro de 2015

IN MEMORIAM A DOM GUIDO MARIA CASULLO


Hoje, 10 de janeiro, relembramos o falecimento de Dom Guido, primeiro bispo de Zé Doca, tendo sido anteriormente bispo Prelado de Cândido Mendes e só mais tarde mudou de nome passando-se a chamar diocese de Zé Doca. Não poderíamos, não lembrar deste grande missionário que aqui passou deixando suas sementes que com certeza deram seus frutos. 

Breve bibliografia de vida de Dom Guido

Dom Guido Maria Casullo, nasce no dia 27 de maio de 1909, em Monteleone di Puglia, Itália, filho de José Antonio Casullo e Catarina Contella Casullo. Foi batizado em 2 de junho do mesmo ano.

No ano de 1920, prestou com sucesso o exame de acesso ao ginásio
e 04 de novembro do mesmo ano começou seus estudos no Seminário Diocesano de Ariano Irpino (Avelino). Os anos se passam e aos 6 de janeiro de 1932 foi é ordenado Diácono e seis meses mais tarde (16 de julho) recebe o sacramento da Ordem. Foi nomeado bispo em 27/05/1951 e ordenado bispo em 15/07/1951, na mesma Catedral em Ariano Irpino - Itália. Seu lema "OMNI SPES VITAE" (toda esperança da vida).

Em 1962, Dom Guido trabalhou na comissão de liturgia do Concílio Vaticano II. Aproveitou os diversos contatos para apresentar e insistir em sua proposta de trabalho missionário. E em 17 de dezembro do ano corrente teve finalmente aceita sua demanda, a partir de duas propostas, uma para África, outra para o Brasil, com a definição de sua vinda para a Pinheiro (Prelazia), no Maranhão.

A viagem Itália – Brasil iniciou-se a 12 de maio de 1963, com escala em Fátima para receber a benção de Nossa Senhora. Chegou ao Rio de Janeiro em 17 de maio, onde fez curso intensivo de português.

Aos 7 de junho (1963) viaja para Pinheiro como Bispo Auxiliar de Dom Afonso Ungarelli. Passa a residir na Casa de Procura Santa Teresa (casa de apoio às irmãs carmelitas).

Nos anos 1963 a 1965 atuou como Bispo Auxiliar de Pinheiro. Continuou a colaborar com os trabalhos do Concílio Vaticano II que se encerrou a 8 de dezembro de 1965.

Em 27 de fevereiro de 1966 é nomeado Prelado de Cândido Mendes.

Nos anos de 1966 a 1983:

Instalação e trabalho dedicado, durante dezessete anos, na Prelazia de Cândido Mendes. Ajudado sempre por uma profunda devoção à Sagrada Família a ela atribui a graça de ter conseguido ajuda de vária comunidades missionárias: os combonianos, a irmãs da Sagrada Família (filhas de Santa Emília – França), as irmãs Oblatas do Sagrado Coração, as Professas de Nossa Senhora da Providência (origem Argentina), os padres Lassalistas, as irmãs da Redenção. Irmã Elizabeta, hoje no Peru, foi a primeira médica na região. Além disto, diversos padres diocesanos assumiram a vocação missionária (cinco de Turim). Contou também com seu contemporâneo mais velho de seminário e antigo Bispo na Itália, Renato Luisi, que, como padre Missionário, chegou para trabalhar em Cândido Mendes.

As irmãs de Jesus Crucificado vieram também espontaneamente e sem ônus para a prelazia, em duas equipes para atuar na região mais difícil do território.

O Seminário, também dedicado à Sagrada Família, cresceu e hoje é o mais ativo das dioceses da região.

A Pastoral Indigenista contava com dois sacerdotes que trabalhavam com grandes sacrifícios. Um deles tornou-se vice-presidente do CIMI.

Dom Guido sempre participou das atividades da CNBB e de suas assembleias anuais em Itaici.

No ano de 1983, por iniciativa da própria Santa Sé a prelazia se transforma na Diocese de Cândido Mendes, a Diocese da Sagrada Família. A 6 de outubro Dom Guido é o primeiro Bispo da nova Diocese.

Em 1984, Dom Guido apresenta carta de renúncia ao completar 75 anos. A carinhosa resposta do Papa só chega dois anos depois.

No ano de 1986, Dom Guido tem três possíveis destinos para sua residência de Bispo Emérito Missionário (Luanda, São Luiz, Fortaleza). O Cardeal Prefeito da Congregação dos Bispos, da Cúria Romana, o aconselha em conversa em Itaici, durante a assembleia da CNBB: Fortaleza! Certamente a tão querida Sagrada Família o encaminhou para os filhos do beato João Piamarta, também grande devoto. Dom Guido chega em Fortaleza à nova casa na Paróquia de Nossa Senhora de Nazaré, no Montese, a 19 de agosto de 1986.

Entre os 1986-1990 – Intensifica sua prioridade ao atendimento de confissões. Por vezes as filas se prolongam até as 10 horas da noite. A cada ano passava quatro meses em missão de solidariedade em Canindé, junto a seus irmãos franciscanos, ajudando nas confissões.

Em 2001, Dom Guido comemora o Jubileu Episcopal e lança o Projeto Lar Sacerdotal Sagrada Família para Presbíteros e Bispos idosos ou doentes. Em 4 de abril de 2003, Dom José Antônio Aparecido Tosi Marques preside a Assembleia de fundação do Instituto Lar Sacerdotal com a participação de Dom Guido. Em 15 de dezembro do mesmo ano, aprova o projeto da primeira casa do Lar Sacerdotal a ser construída na Comunidade Espiritual Uirapuru

Dom Guida Maria Casullo veio a falecer em 10 de janeiro de 2004, no Hospital Gastroclínica, sendo sepultado na cripta da Catedral de Fortaleza.

* Bibliografia retirado do site Lar Sacerdotal: Jesus, Maria e José, (disponível em http://www.larsacerdotal.org.br/), mas com algumas modificações e revisado por Dom Sebastião Lima Duarte.



sexta-feira, 9 de janeiro de 2015

Papa Francisco: o amor é o caminho para conhecer Deus

Deus nos precede sempre no amor. Este é um dos trechos da homilia do Papa Francisco na Missa matutina na Casa Santa Marta, com um pequeno grupo de fiéis, a primeira de 2015.

Nesses dias depois do Natal, destacou o Papa, a palavra chave na liturgia é “manifestação”. Jesus se manifesta: na festa da Epifania, no Batismo e nas bodas de Caná. Mas como podemos conhecer Deus?, questionou Francisco. É justamente este o tema do qual parte o Apóstolo João na Primeira Leitura, destacando que, para conhecer Deus, o nosso intelecto e a razão são insuficientes. Pode-se conhecer plenamente Deus no encontro com Ele. E para este encontro, a razão não basta. É necessário algo mais:

Somente no caminho do amor é possível conhecer Deus

“Deus é amor! E somente pelo caminho do amor é possível conhecer Deus. Amor racional, acompanhado pela razão. Mas amor! “Mas como posso amar aquilo que não conheço?”; “Ama os que estão próximos”. E esta é a doutrina de dois Mandamentos: O mais importante é amar a Deus, porque Ele é amor; Mas o segundo é amar o próximo, mas para chegar ao primeiro, devemos subir os degraus do segundo: ou seja, através do amor ao próximo podemos conhecer Deus, que é amor. Somente amando racionalmente, mas amando, podemos chegar a este amor”.

O amor de Deus não é uma novela

Eis o motivo pelo qual devemos amar uns aos outros, disse Francisco, porque o amor é de Deus e quem ama foi gerado por Ele. E ainda, acrescentou o Papa, para conhecer Deus é preciso amar:

“Quem ama conhece Deus; quem não ama, não O conheceu, porque Deus é amor. Mas não amor de novela. Não, não! Amor sólido, forte; amor eterno, amor que se manifesta – a palavra desses dias, “manifestação” – no seu Filho, que veio para nos salvar. Amor concreto; amor de obras e não de palavras. Para conhecer Deus, é necessário toda a vida; um caminho, um caminho de amor, de conhecimento, de amor ao próximo, de amor por aqueles que nos odeiam, de amor por todos”. 

O amor de Deus é como a flor da amêndoa 

Francesco observou que não fomos nós a dar o amor a Deus, mas foi Ele que nos amou e enviou seu Filho como vítima, para expiar os nossos pecados. Na pessoa de Jesus – refletiu o Pontífice – podemos contemplar o amor de Deus e, seguindo seu exemplo, chegamos, degrau após degrau, ao amor de Deus, ao conhecimento de Deus, que é amor.

Em seguida, citando o Profeta Jeremias, o Papa disse que o amor de Deus nos precede, nos ama antes ainda que o procuremos. O amor de Deus é como “a flor da amêndoa”, que é a primeira a desabrochar na primavera. O Senhor nos “ama antes de todos e sempre teremos esta surpresa”.

O Papa notou que “quando nos aproximamos de Deus atuando obras de caridade, rezando, na Comunhão, na Palavra de Deus, vemos que Deus está ali, antes de tudo, nos esperando: é assim que Ele nos ama”.

O amor de Deus espera por nós

Na sequência, o Papa meditou sobre o Evangelho do dia, que narra a multiplicação dos pães. “O Senhor – afirmou – teve compaixão de todo aquele povo que estava ali para ouvi-lo porque eram ovelhas sem pastor, desorientadas”.

“Ainda hoje, muita gente está desorientada em nossas cidades, em nossos países. Por isso, Jesus lhes ensina a doutrina e o povo o ouve. Quando, depois, fica tarde e lhes pede comida, os discípulos respondem irritados”. “Mais uma vez – comentou o Papa – Deus chegou antes e os discípulos não entenderam nada”: 

“Assim é o amor de Deus: sempre nos espera, sempre nos surpreende. É o Pai, é o nosso Pai que nos ama, que está sempre disposto a nos perdoar, sempre! Como um pai cheio de amor, e para conhecer este Deus, que é amor, devemos subir pelo degrau do amor ao próximo, pelas obras de caridade, pelas obras de misericórdia que o Senhor nos ensinou. Que o Senhor, nestes dias em que a Igreja nos faz pensar na manifestação de Deus, nos dê a graça de conhece-lo através do caminho do amor”. 

Com informações da Rádio Vaticano

quinta-feira, 8 de janeiro de 2015

“Não há futuro sem paz”, alertou o papa Francisco

“Cada homem e cada povo têm fome e sede de paz! Portanto, é necessário e urgente construir a paz!”, refletiu o papa Francisco durante Oração do Angelus, no domingo, 4 de janeiro, na Praça de São Pedro, no Vaticano. Milhares de peregrinos ouviram as palavras do papa, que destacou o valor da paz.

“…começamos há poucos dias o novo ano em nome da Mãe de Deus, celebrando a Jornada Mundial da Paz sobre o tema: ‘Já não escravos, mas irmãos’. O meu desejo é que se supere a exploração do homem pelo homem. Esta exploração é uma praga social que mortifica as relações interpessoais e impede uma vida de comunhão marcada pelo respeito, justiça e caridade”, relembrou Francisco.

Compromisso com a paz

No segundo Angelus do ano, o papa Francisco fez apelo em favor do fim das guerras e contra a exploração dos seres humanos.

“Certamente a paz não é apenas a ausência de guerra, mas uma condição geral na qual a pessoa humana está em harmonia consigo própria, com a natureza e com os outros.  Não há futuro sem propósitos e projetos de paz! Não há futuro sem paz!”, disse.

“Cada um de nós pode cumprir gestos de fraternidade para com o próximo, especialmente daqueles que passam por tensões familiares ou problemas de vário tipo. Estes pequenos gestos têm tanto valor: podem ser sementes que dão esperança, podem abrir caminhos e perspectivas de paz”, concluiu.

com informações da CNBB

terça-feira, 6 de janeiro de 2015

Comunicado do Bispo Diocesano

    UM FELIZ E ABENÇOADO ANO NOVO DE 2015 desejo a Meus Irmãos e Minhas Irmãs da Diocese de Zé Doca. 

     Logo depois de assumir a Diocese me reuni com os padres (15 de novembro de 2014) e pedi para que todos continuassem nas suas respectivas atividade e cargos; e qualquer transferência seria feita perante uma necessidade maior. Esta apareceu. Então depois de consultar meu Vigário Geral, Padre Brito, também outros e todas as pessoas envolvidas, comunico ao Povo de Deus, ao Clero, às Religiosas e aos Religiosos desta Igreja Particular o que acertamos e o que confirmo com minhas decisões:

1. Reverendo Padre Reginaldo Santos Costa, o Pároco da Paróquia São Sebastião de Carutapera, nas conversas (09 e 28 de dezembro de 2014) me avisou que precisa fazer uma cirurgia e depois dela necessita de três meses de recuperação e repouso. Diante disso decidimos que ele vai deixar a administração da paróquia (31 de janeiro de 2015) para cuidar de sua saúde e durante os meses seguintes vamos discernir suas futuras atividades e os compromissos na Diocese. Desejamos ao Padre Reginaldo uma rápida recuperação e muita saúde. 

2.   A partir do dia 01 de fevereiro de 2015, assumirá a Paróquia São Sebastião de Carutapera, de fato e de direito, Reverendo Padre Cosmo de Souza Almeida, até então o Pároco da Paróquia Nossa Senhora da Conceição de Cândido Mendes.





3.  A partir do dia 01 de fevereiro de 2015, assumirá a Paróquia Nossa Senhora da Conceição de Cândido Mendes, de fato e de direito, Reverendo Padre Raimundo Pereira de Almeida (Nato), até então Pároco da Paróquia de São Pedro em Maranhãozinho.





4. A partir do dia 01 de fevereiro de 2015, assumirá como Pároco a Paróquia São Pedro de Maranhãozinho, de fato e de direito, Reverendo Padre Saris Ribeiro Verde, até então Vigário Paroquial da Paróquia Catedral de Zé Doca. 






5. Peço as Paróquias de Carutapera, Cândido Mendes, Maranhãozinho e Zé Doca preparar as dignas despedidas de seus Padres agradecendo-lhes pelos anos de serviços prestados e que sejam organizadas as acolhidas de seus novos pastores. Agradeço ao Povo de Deus das Paróquias em cima mencionadas pelo apoio, a compreensão e a colaboração.

6. Os novos Párocos marcaram com Bispo suas posses canônicas nas datas: 07 de fevereiro - do Padre Saris em Maranhãozinho; 28 de fevereiro - do Padre Nato em Cândido Mendes e 26 de março - do Padre Cosmo em Carutapera. Desde já desejo a todos um bom e frutífero pastoreio e a todo o Povo de Deus uma caminhada cheia de graças e bênçãos do Céu.

7. Que os Párocos que estão deixando administração, preparem para seus sucessores um relatório com as informações importantes: atividades pastorais, as comunidades, os projetos, o relatório sobre os funcionários e o patrimônio da paróquia, os carros, o relatório financeiro e outras informações vitais para passagem transparente e responsável da administração paroquial. Que os relatórios sejam assinados pelos membros do Conselho Paroquial de Pastoral e Conselho Paroquial de Assuntos Econômicos. Uma copia deve ser entregue ao novo pároco e outra ao Bispo Diocesano. 

8. Na confraternização natalina do clero e de religiosos (22 de dezembro de 2014) marcamos e confirmamos seguintes datas importantes para a Diocese:

- 01 de fevereiro - Abertura do ano formativo do Seminário Maior, em São Luís;

- 21 de fevereiro - em Santa Luzia do Paruá - REUNIÃO DIOCESANA DE PLANEJAMENTO DO ANO DE 2015. Vamos começar às 09.00 horas e planejamos terminar as 15.00. Convidamos todos os Padres, as Religiosas e os Religiosos, os Coordenadores Diocesanos e se na paróquia não tem ninguém que faz parte de alguma coordenação diocesana, dois representantes. 

- de 09 a 13 de março - Retiro anual do Clero (em Belém);

- 26 de março (quinta - feira) - a Missa dos Santos Óleos em Carutapera, com o clero, religiosos e o povo de Deus da Diocese de Zé Doca.  

 Zé Doca, 06 de janeiro de 2015

Dom João Kot, OMI
Bispo Diocesano

segunda-feira, 5 de janeiro de 2015

Paróquia São Francisco de Assis em Bom Jardim têm novo pároco

Tomou posse no ultimo sábado, dia 03 de Janeiro, em Bom Jardim – MA, Frei Gleison Conceição da Silva OFM Conv., novo pároco da Paróquia São Francisco de Assis. Nascido na cidade de Fortaleza – CE, Frei Gleison foi ordenado diácono no ano de 2012, e ordenado sacerdote em 2013, exercendo seu ministério em sua cidade natal, na Paróquia Santo Antônio, como Vigário Paroquial. 

A Missa de Posse foi realizada as 19:30 na Igreja Matriz, sendo presidida por Dom João Kot OMI, Bispo Diocesano de Zé Doca,  e concelebrada por: Frei Cleves Mafra, Custódio Provincial dos OFM Conv.; Pe. Raimundo Brito dos Santos, Vigário Geral da Diocese de Zé Doca e pároco da Catedral de Santo Antônio; Frei Valdo Nogueira, vigário da Custódia; Frei Carlito da Silva OFM Conv.; Frei David do Nascimento OFM Conv.; Frei Francisco Ribeiro OFM Conv.; Pe. Raimundo Pereira de Almeida, pároco da Paróquia São Pedro em Maranhãozinho - MA; Pe. Erenaldo Pereira Caxias, pároco da Paróquia São Francisco de Assis em Nova Olinda do Maranhão - MA; Pe. Cosmo de Souza Almeida, pároco da Paróquia Nossa Senhora da Conceição em Cândido Mendes - MA; Pe Marcio Junior de Jesus Sodré, Reitor do Seminário Menor; Pe. Chagas, Diocese de Novo Hamburgo – RS; Diac. Josué Mesquita OFM Conv. Também estiveram presentes na Missa, religiosas de nossa diocese, pessoas vindas de Fortaleza, onde residia Frei Gleison, e varias pessoas daquela paróquia que com muita alegria celebraram a posse de seu pároco, no dia da festa da Epifania do Senhor. Após a saudação à Santíssima Trindade, Pe. Brito fez a leitura do Decreto e Nomeação do Novo Pároco, seguida da profissão de fé realizada por Frei Gleison diante de Dom João.

Em sua homilia, Dom João acolheu ao novo pároco, desejando-o coragem para essa nova caminhada, e pediu a todo povo de Deus presente que também o acolhessem, e que nos momentos difíceis orem por ele. Com o término da homilia deu-se continuidade ao Rito da Posse, com a entrega dos símbolos paroquiais a Frei Gleison, sendo eles: as chaves da Igreja e do Sacrário; os óleos sacramentais e a Estola. Em seguida ele proferiu a Juramento de Fidelidade como determina a Santa Mãe Igreja, declarando-o, assim, Pároco da Paróquia São Francisco de Assis.

Nos Ritos Finais, foi o momento dos agradecimentos, iniciado por Ir. Célia que acolheu ao novo pároco em nome de toda a paróquia, seguida de Frei Gleison que agradeceu a todos, e disse ainda, que todos o aguardassem de coração aberto, pois o mesmo iria ao encontro do povo.  Frei Cleves, agradeceu a comunidade da paróquia pelo acolhimento a todos os frades que passaram por ali, e Pe. Brito acolheu Frei Gleison em nome do clero da Diocese de Zé Doca. 

Veja fotos da Missa de posse abaixo: