OBJETIVO GERAL


OBJETIVO GERAL:
Evangelizar a partir de Jesus Cristo e na força do Espírito Santo, como Igreja discípula, missionária, profética e misericordiosa, alimentada pela Palavra de Deus e pela Eucaristia, à luz da evangélica opção preferencial pelos pobres, para que todos tenham vida (Jo 10,10), rumo ao Reino definitivo.


segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

DEMOCRACIA E ECONOMIA


Dom Fernando Arêas Rifan*            


Acabo de participar, de 24 a 28 de janeiro, em Sintra, Portugal, a convite, de um Congresso internacional para Bispos, com a presença de cerca de 100 Cardeais e Bispos de diversas nacionalidades, promovido pelo Acton Institute, instituição universitária voltada para estudos de economia e sociologia à luz da Doutrina social da Igreja. O congresso deste ano intitulou-se “Igreja, Democracia e Economia”.

            E como neste ano de 2017, se celebra o 100º aniversário das aparições de Nossa Senhora em Fátima, Portugal, nós, os Bispos deste congresso, fizemos, no dia 24 de janeiro, uma peregrinação especial ao Santuário de Fátima. Foi emocionante e comovente celebrar este centenário no próprio lugar das aparições aos Três Pastorinhos. Rezamos e nos consagramos ao Imaculado Coração de Maria, colocando junto, é claro, de modo especial, todos os meus sacerdotes e fiéis da nossa cara Administração Apostólica.

            No congresso, explorando o tema, falou-se sobre “a Igreja na era da democracia”, “a Doutrina Social da Igreja Católica, a pobreza e o desenvolvimento humano integral”, e sobre o problema do “Crony Capitalism” (capitalismo de amigos).

            Sobre a Democracia, a Igreja ensina que “o Estado de direito é a condição necessária para estabelecer uma autêntica democracia. Para que esta se possa desenvolver, é necessária a educação cívica e a promoção da ordem pública e da paz. Com efeito, não há democracia autêntica e estável sem justiça social. Por isso, é necessário que a Igreja ponha maior atenção na formação das consciências, prepare os dirigentes sociais para a vida pública em todos os níveis, promova a educação cívica, a observância da lei e dos direitos humanos e dedique um maior esforço para a formação ética da classe política” (João Paulo II, Ecclesia in America, 56).

            “Não se pode mitificar a democracia até fazer dela o substituto da moralidade ou a panaceia da imoralidade. Fundamentalmente, é um ordenamento e, como tal, um instrumento, não um fim. O seu caráter moral não é automático, mas depende da conformidade com a lei moral, à qual deve se submeter como qualquer outro comportamento humano... O valor da democracia vive ou morre nos valores que ela encarna e promove” (J. P. II, Evang. Vitae, 70).

            Quanto ao capitalismo de amigos ou clientelista, é um termo que descreve uma economia supostamente capitalista, na qual o êxito nos negócios depende de uma estreita relação entre os empresários e os funcionários governamentais. Entre suas expressões, se pode mencionar o favoritismo na distribuição de licenças legais, subvenções do governo e impostos especiais, por exemplo. Ele surge quando o clientelismo político se mescla no mundo empresarial, quando as amizades interesseiras e os laços familiares entre empresários e políticos influenciam na economia e na sociedade na medida em que corrompe os setores públicos. Muitas vezes, os que querem atacar o legítimo capitalismo ou economia de mercado, visam esse capitalismo clientelista, perverso, que não se coaduna com a doutrina social da Igreja.

*Bispo da Administração Apostólica Pessoal São João Maria Vianney

Nenhum comentário:

Postar um comentário