OBJETIVO GERAL


OBJETIVO GERAL:
Evangelizar a partir de Jesus Cristo e na força do Espírito Santo, como Igreja discípula, missionária, profética e misericordiosa, alimentada pela Palavra de Deus e pela Eucaristia, à luz da evangélica opção preferencial pelos pobres, para que todos tenham vida (Jo 10,10), rumo ao Reino definitivo.


sexta-feira, 31 de julho de 2020

ACONTECEU... MISSA DA UNIDADE E BENÇÃO DOS SANTOS ÓLEOS


        A Santa  Missa da Unidade e Benção dos Santos Óleos , com a presença do nosso Bispo Diocesano Dom João Kot, OMI e todo o clero da Diocese de Ze Doca-MA, aconteceu na paróquia Nossa Senhora Consolata, na cidade de Amapá do Maranhão. 

        A Missa da unidade ou dos “Santos Óleos” acontece na Quinta-feira Santa, no entanto, devido as condições atuais em meio a pandemia a missa se realizou no dia 23 de julho.

        Uma vez que esta missa caracteriza-se como uma grande ação de graças a Deus pela instituição do ministério sacerdotal na Igreja, nela, os padres presentes renovam as promessas sacerdotais. 

        Na mesma celebração se abençoa o óleo dos catecúmenos e dos enfermos e se consagra o óleo do Santo Crisma. Daí o fato de a celebração ser também chamada de "Missa dos Santos Óleos".

        Após o término do rito, os padres voltam para suas comunidades e levam a porção dos óleos para que possa ocorrer a prática dos sacramentos dos seus fiéis.
        Queremos bendizer a Deus pelo dom do sacerdócio a serviço da nossa Igreja diocesana.
 
*Yan Torrres 
*Denilson e equipe da Pascom/Paróquia Nossa Senhora Consalata.






















terça-feira, 14 de julho de 2020

EXPERIÊNCIA MISSIONÁRIA EM TEMPO DE PANDEMIA - DIÁCONO JOSIVALDO


EXPERIÊNCIA MISSIONÁRIA EM TEMPO DE PANDEMIA

Llallagua-Bolívia, 30 de junho de 2020

        Estimados filhos e filhas de Deus da Diocese de Zé Doca – MA, paz e bem em Cristo Jesus!

        É com muita satisfação e estima que venho por meio destas linhas, partilhar com vocês a minha alegria e contentamento, de está realizando uma experiência missionária em Llallagua-Bolívia, e convivendo com os padres Oblatos de Maria Imaculada (OMI), apesar das adversidades deste tempo de pandemia. 

        A pandemia e o isolamento social, não devem ser uma desculpa para um cristão não realizar a sua missão, pelo contrário, é um tempo oportuno para o missionário se reinventar e buscar novos meios, possibilidades que viabilizem a evangelização, de forma criativa e dinâmica, como nunca antes fora feito. 

        A missão do missionário já inicia na abertura de seu coração e na disponibilidade de servir independente se o tempo for favorável ou não. Ser missionário é está acessível ao Espírito Santo e deixar-se conduzir por Ele, pois Ele vai sempre à nossa frente. 

        Em vista disso, a pandemia é uma oportunidade do missionário sair de si mesmo, do comodismo e procurar novos meios para evangelizar, fazendo das coisas que o mundo oferece, instrumentos de evangelização. O evangelho nos diz que o tesouro esta escondido no campo (Mt 13,44),  portanto, só temos que procurá-lo. Quantas pessoas neste período de pandemia já inventaram coisas extraordinárias e por conseguinte já são até profissionais? Essas pessoas ganharam talentos e multiplicaram. 

        De tal modo, assim como o ouro e a prata são provados pelo fogo (Prov 17,3), os cristãos estão sendo provados na fé neste tempo de pandemia. Então temos que aprender com São Paulo, quando nos diz: "Por isso sinto prazer nas fraquezas, nas injúrias, nas necessidades, nas perseguições, nas angústias por amor de Cristo. Porque quando estou fraco então sou forte. (2Cor 12,13).

        Estimados amigos, com efeito esta é uma partilha da minha experiência e vivência missionária aqui na Bolívia. Pois está sendo um tempo extraordinário de aprendizados, de desafios e de descobertas dos meus potenciais nesse tempo de pandemia. 

        Não obstante, fui aprovado pelo Bispo e pelo conselho presbiteral da Diocese de Zé Doca, para dá continuidade na minha preparação para a ordenação presbiteral. A mesma está marcada para acontecer em 26 de setembro do ano corrente, na Cidade de Cândido Mendes - MA.

        Diante da pandemia que o mundo vem enfrentando, não é possível prognosticar o tempo que a pandemia vai persistir. Em razão disso, tem-se a possibilidade de adequação para a realização da missa de ordenação, levando a cabo as recomendações emitidas pelo Ministério de Saúde, em consonância com a Diocese de Zé Doca, para prevenir contágios do COVID-19.


        Por conseguinte, para ganhar tempo e usufruindo da oportunidade, irei realizar o meu retiro preparatório para a ordenação presbiteral aqui na Bolívia, na última semana do mês de julho. Em virtude disso, conto com as vossas orações.


        Que o Deus benigníssimo se digne outorgar fé, esperança e caridade a todos nós e pela intercessão da Bem-aventurada Virgem Maria, Mãe da Igreja e nossa, nos proteja com o seu manto sagrado.

Atenciosamente, 

Josivaldo Rodrigues da Silva
Diácono transitório da Diocese de Zé Doca - MA

 
 

sexta-feira, 3 de julho de 2020

COMUNICADO EPISCOPAL: SOBRE ABERTURA DAS IGREJAS


Comunicado Episcopal - Nº 10/2020
Sobre abertura das Igrejas

      Amado Povo de Deus da Diocese de Zé Doca

      Minhas saudações de paz, bem e saúde, envio a todos.

1.     No dia 30 de junho, se reuniram comigo os padres da Diocese e depois de conversar sobre a situação atual, pediram que se publicasse uma nota oficial sobre o assunto, com as orientações concretas. No mesmo dia, à noite, participei da reunião virtual dos Bispos do Maranhão. Ouvi com atenção as ponderações apresentadas nestes dois encontros e até a data da publicação me dediquei à oração, pedindo as inspirações do Espírito Santo sob nós.

2.     Recorri a Palavra de Deus e encontrei no Evangelho do dia (30/06/2020) aquela passagem sobre a travessia dos apóstolos e de Jesus, pelo mar, durante a violenta tempestade (Mt 8,23-27). E ao finalizar a nota, medito com a Igreja o trecho que relata o encontro do Ressuscitado com o apostolo Tomé (03/07/2020 – Jo 20,24-29). Agradeço a Deus por estas inspirações claras, porque elas nos revelam que não precisamos nos desesperar, quando Jesus está conosco nenhuma tempestade nos destruirá. O medo é normal, mas a nossa fé e a esperança em Jesus também devem ser normais. Não podemos nos afastar da comunidade, porque é nela que a glória e o poder de Deus se revelarão. Jesus não simula um encontro pessoal com Tomé, mas no meio dos amigos que se apresenta e na frente dos mesmos, o apóstolo faz humildemente a sua profissão de fé.

3.     Preservar a vida, de cada uma das pessoas, sempre foi, é e será princípio da ação da Igreja diocesana de Zé Doca. Estamos divididos entre a saudade da nossa participação presencial e ao mesmo tempo sentimos a responsabilidade pelos outros. Percebemos que a situação ainda não está controlada, não se vê a queda no número dos contaminados e seriamente preocupa a fragilidade da nossa estrutura hospitalar. A politização da pandemia gerou em nós a desconfiança e mais perguntas do que certezas. São elaboradas as restrições cada vez mais detalhadas, mas as ruas e as praças revelam outra realidade. Nunca será seguro se não chegar a vacina disponível para TODOS.

4.     Com a flexibilização do isolamento social, definida na Portaria da Casa Civil do Estado, do dia 10 de junho de 2020, e com as determinações municipais (a Diocese compreende a Igreja Católica em vinte municípios do Maranhão) e tendo consultado o clero e as autoridades locais, disponho que sejam adotadas as orientações:

- Como foi determinado na Nota ao Povo de Deus, publicada aos 18 de junho de 2020, os Párocos devem reunir seus Conselhos Paroquiais e fazer uma consulta sobre a realidade local. E como esta consulta trata dos assuntos sanitários e sociais, e não internos - religiosos, deve ser levada a sério e ser determinante para a possível abertura das igrejas e das capelas na paróquia. Deve se obedecer às exigências do município e do Estado. Desta forma, caberá às paróquias, em cada município do território diocesano, através do Pároco e dos Conselhos (Pastoral e Econômico), um justo e razoável discernimento da realidade para uma segura decisão.

- Somos obrigados a conviver com COVID-19 e estamos aprendendo a fazer isso. As Missas, os encontros e outras celebrações presenciais, devem ser sempre com pequenos grupos ou por categoria pastoral. Tenha-se presente que o espaço físico precisa estar bem higienizado, ventilado, e onde é possível, ao ar livre, respeitando o distanciamento previsto entre as pessoas. Não entrarei em detalhes, porque eles estão disponíveis em documentos e as orientações das autoridades locais e eclesiásticas. Mas recordo: bom senso e prudência são aliados do êxito.

- Decidimos realizar algumas celebrações importantes para nossa Diocese, como a Missa de Santos Óleos, a Ordenação dos Diáconos Permanentes e a Ordenação Presbiteral do Diácono Josivaldo, sempre com todos os cuidados e limitando, infelizmente, o número dos participantes.  Do jeito cauteloso e responsável queremos reagir, sem abusar da sorte, sem banalização ou idiotismos provocativos. Com a vida de ninguém podemos brincar.

- As paróquias que apresentarão, até o final de semana 18/19 de julho de 2020, a Declaração exigida pela Diocese, poderão abrir seus templos para as celebrações presenciais, segundo as orientações sanitárias impostas pelas autoridades cíveis.

- Na dúvida estou sempre à disposição dos Párocos e seus Conselhos Paroquias, fiquem à vontade para fazer as consultas necessárias.

Que a bênção de Deus desça sobre vós e permaneça para sempre. Amém.

Dom João Kot, OMI
Bispo Diocesano

Zé Doca, 03 de julho, Festa de São Tomé, Apóstolo.


quinta-feira, 2 de julho de 2020

COMUNICADO EPISCOPAL: SOBRE A REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DO CLERO



Comunicado Episcopal Nº 09/2020:
Sobre a reunião extraordinária do Clero

        No dia 30 de junho de 2020, em Zé Doca, aconteceu a reunião extraordinária dos padres da Diocese. Depois da oração inicial tratamos dos assuntos mais importantes da nossa situação atual:

1.     A pandemia do COVID – 19 e os impactos na nossa vida comunitária (foi decidido que a Diocese, nos próximos dias, vai publicar uma nota oficial).

2.     Atualizamos nossa agenda diocesana e confirmamos:
- 23 de julho, em Amapá do Maranhão será celebrada a Missa dos Santos Óleos – Missa da Unidade (só com a participação do clero, desta vez);
- 01 de agosto, em Zé Doca, a Missa da Ordenação dos Diáconos Permanentes (participação segundo o Comunicado Episcopal N º 08, publicado 26 de junho);
- 26 de setembro, em Cândido Mendes, a Missa de Ordenação Presbiteral do Diácono Josivaldo Rodrigues da Silva (os detalhes vamos comunicar depois).
- As datas dos festejos estão mantidas e serão celebrados nas condições possíveis e dentro das normas sanitárias exigidas.

3.     Sobre a situação econômico – administrativa: todos ficamos gratos a Deus pela compreensão e a colaboração do nosso Povo. A consciência de responsabilidade pela Igreja é visível e se concretiza na participação virtual nas celebrações, no envolvimento com o funcionamento das comunidades, nas transmissões, na participação responsável dos eventos das festas e na fidelidade assumida no dízimo. Reduzindo as despesas, percebemos que as paróquias e a Diocese, continuam funcionando dentro dos limites de normalidade. Obrigado a todos pela compreensão e cooperação.

4.     Ajuda Emergencial de REPAM: concluímos a segunda etapa de distribuição dos quites de limpeza e de higiene, alcançando deste modo todas as paróquias da Diocese. Nossa gratidão a REPAM por enviar os recursos, aos padres e aos voluntários das paróquias que colaboraram nas compras, na montagem dos quites e na sua distribuição.

5.     Sendo primeiro encontro do clero neste tempo de pandemia, percebemos a alegria fraterna e solidária entre os irmãos do nosso presbitério. Aproveitamos para parabenizar os padres que recentemente assumiram novos serviços na Diocese (foi feita entrega das provisões) e comemoramos o aniversariante do dia, Padre Raimundo Brito dos Santos. Nossa a gratidão ao Padre Erenaldo e a comunidade paroquial da Catedral pelo almoço.

6.     Caríssimos Filhos e Filhas da Diocese de Zé Doca, agradeço a todos pela paciência e a serenidade na vivencia deste tempo de provações. Minha profunda gratidão aos nossos padres, seminaristas e todas as comunidades da vida consagrada pela fidelidade e a perseverança. Por permanecerem nos seus postos de missão, e de maneira as vezes reduzida ou silenciosa, mas estão lá, onde Deus os enviou. Espero que o nosso povo perceba e valorize, que os seus pastores e guias espirituais, do mesmo jeito e na mesma condição vive e enfrenta esta dura realidade. Que Deus continue vos abençoando. Até os dias melhores. Fiquem com Deus,

Dom João Kot, OMI
Bispo Diocesano

Zé Doca, 02 de julho de 2020.