OBJETIVO GERAL


OBJETIVO GERAL:
Evangelizar a partir de Jesus Cristo e na força do Espírito Santo, como Igreja discípula, missionária, profética e misericordiosa, alimentada pela Palavra de Deus e pela Eucaristia, à luz da evangélica opção preferencial pelos pobres, para que todos tenham vida (Jo 10,10), rumo ao Reino definitivo.


quarta-feira, 8 de novembro de 2017

PARABÉNS, DOM JOÃO KOT!!!

" Fiat Misericórdia Tua"
             

Ensina-nos a Igreja que os Bispos, por instituição divina, sucedem aos Apóstolos como pastores da Igreja, de sorte que quem os ouvi, ouvi a Cristo, e quem os despreza, despreza, a Cristo e aquele por quem Cristo foi enviado.  (CIC, nº 862)

Hoje, dia 08 de novembro, a Diocese de Zé Doca comemora alegremente os três anos que a voz do seu pastor, V. Revma.  Dom Joao Kot, se faz ouvir em toda a Diocese, desde que foi ordenado ao ministério episcopal e tomou posse da mesma. Portanto, essa voz que ressoa anunciando o evangelho de Deus a todos os homens, anima, exorta, e edifica na fé a todos os crentes.

  A Diocese de Zé Doca expressa sua profunda gratidão a Deus, por lhe ter enviado um pastor que vive e convive com suas ovelhas, sem distinção. Agradece também ao próprio pastor, Dom João Kot, por ter aceito o grande desafio que esse ministério lhe confere.  Rogamos a Deus pela intercessão da Bem-Aventurada Virgem Maria, que envie o Espírito Santo concedendo ao nosso Bispo cada vez mais sabedoria e discernimento para exercer o seu ministério conforme o desígnio de Deus.


Estes são os votos do povo da Diocese de Zé Doca!!





segunda-feira, 30 de outubro de 2017

MISSA DE AÇÃO DE GRAÇAS PELOS BENFEITORES




         Benfeitores do Seminário são fieis que têm consciência da responsabilidade na formação dos futuros padres e assim rezam pelas vocações e contribuem livre e voluntariamente a cada mês com a auto-sustentabilidade da formação dos seminaristas da nossa Diocese de Zé Doca. E para agradecer a Deus pela vida dos nossos benfeitores e pedir Suas bênçãos sobre eles, celebrou-se no dia 26 de outubro de 2017, quinta-feira, às 19h30 em São Luís – MA, no Seminário Maior Dom Guido Maria Casullo, mais uma vez uma missa dedicada especialmente a todos nossos benfeitores que residem em São Luís e na Diocese de Zé Doca. 

       A Santa Missa foi presidida por Pe. Pedro Eduardo, Reitor do Seminário, e contou com a presença dos benfeitores de São Luís. Após a Santa Missa, realizou-se entre os benfeitores presentes o sorteio de um quadro de São Pio de Pietrelcina, Patrono do Seminário Dom Guido Maria Casullo.

          Lembramos que esta Missa acontece mensalmente como forma de ação de graças por todas as pessoas que ajudam nossa Casa de Formação. 


                  PROJETO BENFEITORES DO SEMINÁRIO

         Quem pode ser benfeitor do Seminário? Qualquer pessoa de boa vontade. Basta ser generoso. O benfeitor do Seminário se compromete rezar pelas vocações da nossa Diocese de Zé Doca, tornando-se um intercessor pelas vocações sacerdotais, e contribuindo mensalmente com uma quantia livre e voluntária. Ajude na formação de nossos futuros padres!

     Faça sua doação mensalmente na conta bancária utilizando os dados abaixo:

Banco Bradesco
Agência: 1189
Conta Corrente: 2390-6
Titular: Diocese de Zé Doca






















































domingo, 29 de outubro de 2017

BISPOS REPUDIAM PORTARIA Nº 1.129 DO MINISTÉRIO DO TRABALHO DO GOVERNO FEDERAL


          O Conselho Permanente da CNBB, reunido em Brasília, de 24 a 26 de outubro, emitiu nota oficial repudiando com veemência a Portaria 1129 do Ministério do Trabalho considerando que ela elimina proteções legais contra o trabalho escravo.

          A agência de notícias do Governo Federal, a agência Brasil (AB), explicou o caso da seguinte forma: “Há uma semana, o Ministério do Trabalho publicou no Diário Oficial da União (DOU) a Portaria 1.129, assinada pelo ministro Ronaldo Nogueira, na qual dispõe sobre os conceitos de trabalho forçado, jornada exaustiva e condições análogas de escravo, com o objetivo de disciplinar a concessão de seguro-desemprego a pessoas libertadas”.

          A Portaria, segundo a AB, “além de acrescentar a necessidade de restrição da liberdade de ir e vir para a caracterização da jornada exaustiva, por exemplo, a portaria também aumentou a burocracia da fiscalização e condicionou à aprovação do ministro do Trabalho a publicação da chamada lista suja, com os nomes dos empregadores flagrados reduzindo funcionários a condição análoga à escravidão”. A portaria gerou reações contrárias de entidades como a Organização Internacional do Trabalho (OIT), da Procuradoria-Geral da República (PGR) e do Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente (Conanda).

          A ministra Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal (STF), concedeu liminar (decisão provisória) na terça-feira, 24 de outubro, suspendendo os efeitos da Portaria. Segundo a AB, “A decisão da ministra foi dada em uma Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) aberta pela Rede na semana passada. Rosa Weber acatou os argumentos do partido de que a referida portaria abre margem para a violação de princípios fundamentais da Constituição, entre eles, o da dignidade humana, o do valor social do trabalho e o da livre inciativa”.

          A Nota da CNBB é assinada pela Presidência e foi apresentada numa Entrevista Coletiva nesta quinta-feira, 26 de outubro, na sede provisória da Conferência, na Asa Norte, em Brasília (DF).

          Leia a Nota.


NOTA DA CNBB SOBRE O TRABALHO ESCRAVO

“O Espírito do Senhor me ungiu para dar liberdade aos oprimidos” (cf. Lc 4, 18-19)

          Reunido em Brasília-DF, nos dias 24 a 26 de outubro de 2017, o Conselho Permanente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil-CNBB manifesta seu veemente repúdio à Portaria 1129 do Ministério do Trabalho, publicada no Diário Oficial da União de 16/10/2017. Tal iniciativa elimina proteções legais contra o trabalho escravo arduamente conquistadas, restringindo-o apenas ao trabalho forçado com o cerceamento da liberdade de ir e vir. Permite, além disso a jornada exaustiva e condições degradantes, prejudicando assim a fiscalização, autuação, penalização e erradicação da escravidão por parte do Estado brasileiro.

          Como nos recorda o Papa Francisco, “hoje, na sequência de uma evolução positiva da consciência da humanidade, a escravatura – delito de lesa-humanidade – foi formalmente abolida no mundo. O direito de cada pessoa não ser mantida em estado de escravidão ou servidão foi reconhecido, no direito internacional, como norma inderrogável” (Papa Francisco, Dia Mundial da Paz, 1º de janeiro de 2015). Infelizmente, esse flagelo continua sendo uma realidade inserida no tecido social. O trabalho escravo é um drama e não podemos fechar os olhos diante dessa realidade.

          A desumana Portaria é um retrocesso que, na prática, faz fechar os olhos dos órgãos competentes do Governo Federal que têm a função de coibir e fiscalizar esse crime contra a humanidade e insere-se na perversa lógica financista que tem determinado os rumos do nosso país. Essa lógica desconsidera que “o dinheiro é para servir e não para governar” (Evangelii Gaudium, 58). O trabalho escravo é, hoje, uma moeda corrente que coloca o capital acima da pessoa humana, buscando o lucro sem limite (cf. Papa Francisco, Mensagem para o Dia Mundial do Migrante e do Refugiado, 2014).

          Nosso País no qual, por séculos, vigorou a chaga da escravidão de modo legalizado, tem o dever de repudiar qualquer retrocesso ou ameaça à dignidade e liberdade da pessoa humana. Reconhecendo a importância da decisão liminar no Supremo Tribunal Federal que suspende essa Portaria da Escravidão e somando-nos a inúmeras reações nacionais e internacionais, conclamamos a sociedade a dizer mais uma vez um não ao trabalho escravo.

          Confiamos a Nossa Senhora Aparecida, padroeira do Brasil, a proteção de seus filhos e filhas, particularmente os mais pobres.

Brasília, 26 de outubro de 2017

Cardeal Sergio da Rocha / Presidente

Dom Murilo S. Krieger / Vice-Presidente

Dom Leonardo U. Steiner / Secretário-Geral

MENSAGEM SOBRE FUNDAMENTALISMO E INTOLERÂNCIA CONTRA SÍMBOLOS DA FÉ



          Motivados por acontecimentos recentes envolvendo a utilização de símbolos religiosos da fé católica em manifestações isoladas e exposições “artísticas”, os bispos que integram o Conselho Permanente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), elaboraram a mensagem ao povo brasileiro, divulgada em Coletiva de Imprensa, realizada na sede da entidade, dia 26/10.

          No documento, os bispos reconhecem que “em toda sua história, a Igreja sempre valorizou a cultura e a arte, por revelarem a grandeza da pessoa humana, criada à imagem e semelhança de Deus, fazendo emergir a beleza que conduz ao divino”.

          Contudo, recentemente, a mensagem destaca que “crescem em nosso meio o desrespeito e a intolerância que destroem esta harmonia, que deve marcar a relação da arte com a fé, da cultura com as religiões. Se, por um lado, a arte deve ser livre e criativa, por outro, os artistas e responsáveis pela promoção artística não podem desconsiderar os sentimentos de um povo ou de grupos que vivem valores, muitas vezes, revestidos de uma sacralidade inviolável”.

          Integram o Conselho Permanente da CNBB, a presidência da entidade, os bispos presidentes das Comissões Episcopais Pastorais (Consep) e os bispos presidentes dos 18 regionais da CNBB.

          Confira, abaixo, a íntegra do documento.



MENSAGEM DA CNBB MENSAGEM DA CNBB

Vencer a intolerância e o fundamentalismo

“E Deus viu tudo quanto havia feito, e era muito bom”  (Gn 1,31)

          Os bispos do Conselho Permanente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil – CNBB, reunidos em Brasília de 24 a 26 de outubro de 2017, dirigem esta mensagem ao povo brasileiro, diante de recentes fatos que, em nome da arte e da cultura, desrespeitaram a sexualidade humana e vilipendiaram símbolos e sinais religiosos, dentre eles o crucifixo e a Eucaristia, tão caros à fé dos católicos.

          Em toda sua história, a Igreja sempre valorizou a cultura e a arte, por revelarem a grandeza da pessoa humana, criada à imagem e semelhança de Deus, fazendo emergir a beleza que conduz ao divino. “A arte é como uma porta aberta para o infinito, para uma beleza e para uma verdade que vão mais além da vida quotidiana” (Bento XVI – 2011). O mundo no qual vivemos, ensina Paulo VI, precisa de beleza para não cair no desespero (Cf. Mensagem aos Artistas – 1965).

          Reconhecemos que “para transmitir a mensagem que Cristo lhe confiou, a Igreja tem necessidade da arte” (São João Paulo II – Carta aos artistas 1999). Somos, por isso, agradecidos aos artistas pela infinidade de obras que enriquecem a cultura, animam o espírito e inspiram a fé. Merecem destaque a pintura, a música, a arquitetura, a escultura e tantas outras expressões artísticas que ressaltam a beleza da criação, do ser humano, da sexualidade, e o espírito religioso do povo brasileiro. Arte e fé, portanto, devem caminhar unidas, numa harmonia que respeita os valores e a sensibilidade de cada uma e de toda pessoa humana na sua cultura e nos seus valores.

          Lamentavelmente, crescem em nosso meio o desrespeito e a intolerância que destroem esta harmonia, que deve marcar a relação da arte com a fé, da cultura com as religiões. Se, por um lado, a arte deve ser livre e criativa, por outro, os artistas e responsáveis pela promoção artística não podem desconsiderar os sentimentos de um povo ou de grupos que vivem valores, muitas vezes, revestidos de uma sacralidade inviolável. O desrespeito e a intolerância, por parte de artistas para com esses valores, fecham as portas ao diálogo, constroem muros e impedem a cultura do encontro. Preocupam, portanto, o nível e a abrangência destas intolerâncias que, demasiadamente alimentadas em redes sociais, têm levado pessoas e grupos a radicalismos que põem em risco o justo apreço pela arte, a autêntica liberdade, a sexualidade, os direitos humanos, a democracia do País.

          Vivemos numa sociedade pluralista, por isto, precisamos saber conviver com os diferentes. Isso, contudo, não subtrai à Igreja o direito de anunciar o Evangelho e as verdades nele contidas, a respeito de Deus, do ser humano e da criação. Em desacordo com ideologias como a de gênero, é nosso dever ressaltar, sempre mais, a beleza do homem e da mulher, tais como Deus os criou, bem como os valores da fé, expressos também nos símbolos religiosos que, com sua arte e beleza, nos remetem a Deus. Desrespeitar estes símbolos é vilipendiar o coração de quem os considera instrumentos sagrados na sua relação com Deus, além de constituir crime previsto no Código Penal.

          Animamos a sociedade brasileira a promover o diálogo e o encontro, por meio dos quais as pessoas, em suas diferenças, respeitam e exigem respeito, e permitem sentir a riqueza que cada um traz dentro de si.

          Nossa Senhora Aparecida, Mãe e Padroeira dos brasileiros, nos ensine o caminho da beleza e do amor, da fraternidade e da paz.

Brasília, 26 de outubro de 2017.

Cardeal Sergio da Rocha
Arcebispo de Brasília
Presidente da CNBB

Dom Murilo S. R. Krieger
Arcebispo de São Salvador da Bahia
Vice-Presidente da CNBB

Dom Leonardo Ulrich Steiner
Bispo Auxiliar de Brasília
Secretário-Geral da CNBB

sábado, 28 de outubro de 2017

O TEMPO PRESENTE


Dom Fernando Rifan: CONSIDERAÇÕES SOBRE O MOMENTO ATUAL
                                       
          “Ficai bem atentos à vossa maneira de proceder. Procedei não como insensatos, mas como pessoas esclarecidas... porque estes dias são maus” (Ef 5, 16). “Não vos conformeis com este mundo” (Rm 12, 2).


          PROPAGANDA DA IMORALIDADE – ATAQUES À FAMÍLIA:

          Junto com a divulgação da imoralidade, fantasiada de arte, e a propaganda maciça do homossexualismo, travestido de respeito à diversidade, reaparece a doutrinação da Ideologia de Gênero, também com ares de liberdade e de orientação sexual.

         Configura-se, visando sua destruição, um verdadeiro ataque à família, santuário da vida, que vai perdendo seus direitos na educação dos seus filhos, os quais se tornam alvo fácil dessa onda destruidora da moral. Os bons ficam acuados. E os meios de comunicação, através de novelas e entrevistas direcionadas, vão divulgando essa mentalidade de modo bem orquestrado.

          Se a crise social, política e familiar por que passamos é, sobretudo, moral, essa propaganda em nada a faz diminuir, mas, pelo contrário, aumenta-a rompendo todas as barreiras éticas que deveriam pautar o comportamento humano.

          Ao repetir o Mandamento divino “Não pecar contra a castidade”, a Igreja nos ensina a vencer a luxúria e evitar tudo o que a ela conduz, como a pornografia e a indecência no vestir. A castidade faz parte da temperança, conduz ao domínio de si, que exige um esforço constante em todas as idades da vida, especialmente quando se forma a personalidade, durante a infância e a adolescência (cf. Catecismo da Igreja Católica – CIC - 2331-2356).

          São Paulo já advertia: “Fostes chamados à liberdade. Porém, não façais da liberdade um pretexto para servirdes à carne” (Gl 5, 13).

          Sobre a propaganda da imoralidade, recordo as graves palavras do saudoso Cardeal Dom Lucas Moreira Neves, acusando a Televisão, o que poderíamos aplicar também a certos sites da Internet, devido à onda de impureza que traz para dentro dos lares: “Acuso-a de ministrar copiosamente a violência e a pornografia. A primeira é servida em filmes para todas as idades. A segunda impera, solta, em qualquer gênero televisivo: telenovelas, entrevistas, programas ditos humorísticos, spots publicitários e clips de propaganda. A TV brasileira está formando uma geração de voyeurs, uma geração de debilóides. Acuso-a de ser corruptora de menores”.

          E não é só contra essa imoralidade que a Igreja levanta a sua voz. Ela também repudia o assassinato de crianças e adolescentes, a prostituição infantil, a morte de crianças para o roubo de órgãos, a mortalidade das crianças nos hospitais públicos, a violência doméstica, o estupro e o feminicídio.  

           PROFANAÇÃO DOS SÍMBOLOS CRISTÃOS:

          Quanto à profanação dos símbolos cristãos, como o crucifixo, a hóstia, a imagem da Padroeira do Brasil, fazendo eco às palavras dos Bispos do Regional Nordeste 1 da CNBB, manifesto a minha indignação e repúdio diante do escárnio público desses nossos símbolos, crime de vilipêndio, condenados também pelo Código penal (Artigo 208).

          E essa indignação e repúdio deve ser a de todos os católicos e pessoas de bom senso e respeito.

          PROPAGANDA DO HOMOSSEXUALISMO:

          Sobre a homossexualidade, observamos primeiramente que se deve fazer a distinção entre pessoas e atos, entre a tendência e a prática.

          Na linha do pensamento de Santo Agostinho, que dizia que Deus odeia o pecado, mas ama o pecador, e em seguimento do Papa Francisco, que pastoralmente nos ensina a aplicar sempre a misericórdia, as pessoas que apresentam essa inclinação, objetivamente desordenada, cuja gênese psíquica continua em grande parte por explicar, devem ser acolhidas com respeito, delicadeza e compaixão, pois, para a maioria, isso constitui uma provação. Evitar-se-á para com elas todo sinal de descriminação injusta. Estas pessoas são chamadas a realizar a vontade de Deus em sua vida e, se forem cristãs, a unir ao sacrifício da cruz do Senhor as dificuldades que podem encontrar por causa de sua condição. As pessoas homossexuais são chamadas à castidade. Pelas virtudes de autodomínio, educadoras da liberdade interior, às vezes pelo apoio de uma amizade desinteressada, pela oração e pela graça sacramental, podem e devem se aproximar, gradual e resolutamente, da perfeição cristã (cf. CIC nn. 2357-2358).  

          A Igreja, e nós com ela, condenamos e repudiamos, pois, todas as ofensas e, mais ainda, os assassinatos e espancamentos de LGBTIs por conta da intolerância.

          Mas não podemos deixar de dizer que a prática do homossexualismo é condenável. Apoiando-se na Sagrada Escritura, que os apresenta como depravações graves (cf. Gn 19,1-29; Rm 1, 24-27; I Cor 6, 9-10; I Tim 1, 10), a tradição sempre declarou que ‘os atos de homossexualidade são intrinsecamente desordenados’ (Congregação para a Doutrina da Fé, declaração Persona Humana, 8). São contrários à lei natural. Fecham o ato sexual ao dom da vida. Não procedem de uma complementaridade afetiva e sexual verdadeira. Em caso algum podem ser aprovados (CIC n. 2357).

          Por isso, a propaganda do homossexualismo como sendo algo natural é maléfica e, por isso mesmo, condenável.

          São Paulo, apóstolo, fala “com lágrimas”, que muitos “se gloriam daquilo de que se deveriam envergonhar” (Fl 3,19). E, referindo-se aos pecados e perversidade dos pagãos, o mesmo apóstolo nos recorda a moral natural: “Por isso, Deus os abandonou aos desejos dos seus corações, à imundície, de modo que desonraram entre si os próprios corpos. Trocaram a verdade de Deus pela mentira, e adoraram e serviram à criatura em vez do Criador... Por isso, Deus os entregou a paixões vergonhosas: as suas mulheres mudaram as relações naturais em relações contra a natureza. Do mesmo modo também os homens, deixando o uso natural da mulher, arderam em desejos uns para com os outros, cometendo homens com homens a torpeza, e recebendo em seus corpos a paga devida ao seu desvario” (Rm 1, 24-27).

          Aliás, já no Antigo Testamento, Deus já havia condenado os atos homossexuais: “Se um homem dormir com outro homem, como se fosse mulher, ambos cometerão uma coisa abominável” (Lv 20, 13).

          Por isso, São Paulo, desejoso de nossa salvação, nos adverte: “Não vos enganeis: nem os impuros, nem os idólatras, nem os adúlteros, nem os efeminados (em latim, molles), nem os homossexuais (em latim ‘masculorum concubitores’), nem os ladrões, nem os avarentos, nem os bêbados, nem os difamadores, nem os assaltantes hão de possuir o Reino de Deus” (1Cor 6, 9-10).

          IDEOLOGIA DE GÊNERO:

          A ideologia de gênero quer eliminar a ideia de que os seres humanos se dividem em dois sexos, afirmando que as diferenças entre homem e mulher não correspondem a uma natureza fixa, mas são produtos da cultura de um país, de uma época. Algo convencional, não natural, atribuído pela sociedade, de modo que cada um pode inventar-se a si mesmo e o seu sexo.

          O feminismo do gênero, que promove essa ideologia, procede do movimento feminista para a igualdade dos sexos. A ideologia de gênero, própria das associações LGBT, baseia-se na análise marxista da história como luta de classes, dos opressores contra os oprimidos, sendo o primeiro antagonismo aquele que existe entre o homem e a mulher no casamento monogâmico. Daí que essa ideologia procura desconstruir a família e o matrimônio como algo natural. Em consequência, promovem a “livre escolha na reprodução”, eufemismo usado por eles para se referir ao aborto provocado. Como “estilo de vida”, promovem a homossexualidade, o lesbianismo e todas as outras formas de sexualidade fora do matrimônio. Entre nós, querem introduzir essa ideologia, usando o termo “saúde reprodutiva”. E usam a artimanha de palavras, especialmente “discriminação” e "luta contra o preconceito”. Sob esse nome sedutor – pois todos somos contra a discriminação injusta e o preconceito – querem fazer passar a ideologia do gênero, a ditadura do relativismo moral, estabelecendo uma nova antropologia anticristã, sob o nome de democracia.

          Essa campanha é internacional. Na Itália, por exemplo, os folhetos distribuídos nas escolas pretendem ensinar a todos os alunos que “a família pai-mãe-filho é apenas um ‘estereótipo de publicidade’; que os gêneros masculino e feminino são uma abstração; que a leitura de romances em que os protagonistas são heterossexuais é uma violência; que a religiosidade é um valor negativo; chega-se ao ridículo de censurar os contos de fadas por só apresentarem dois sexos em vez de seis gêneros, além de se proporem problemas de matemática baseados em situações protagonizadas por famílias homossexuais”.

          O Papa Francisco, alarmado, fala que estamos diante de uma “colonização ideológica”, de uma maldade ao ensinar a ideologia de gênero (Filipinas, janeiro de 2015). E nos alerta: “Na Europa, nos Estados Unidos, na América Latina, na África, em alguns países da Ásia, existem verdadeiras colonizações ideológicas. E uma delas – digo-a claramente por ‘nome e sobrenome’ - é a ideologia de gênero (gender)! Hoje às crianças – às crianças! –, na escola, ensina-se isto: o sexo, cada um pode escolhê-lo... São as colonizações ideológicas, apoiadas mesmo por países muito influentes. E isto é terrível” (Encontro com os Bispos poloneses, 27/7/2016).

          A Igreja nos ensina: “Deus criou o ser humano como homem e mulher, com igual dignidade pessoal, e inscreveu nele a vocação ao amor e à comunhão. Compete a cada um aceitar a sua identidade sexual, reconhecendo a sua importância para a pessoa toda, bem como o valor da especificidade e da complementaridade” (Compêndio do C.I.C. n. 487).

          FOGO! SOCORRO! ACUDAM!

          É HORA DO PROTESTO DE TODOS:

          É preciso dar um basta! É preciso que as forças morais de toda a humanidade se levantem e deem o seu brado de inconformidade com tudo isso. É hora de gritar com São Luiz Maria Grignion de Montfort: “Fogo! fogo! fogo! Socorro! socorro! Socorro!... Socorro, que assassinam nosso irmão! Socorro, que degolam nossos filhos!...”.

          A Igreja levanta a sua voz de repúdio a tudo isso: sua doutrina clara já condena esses erros. É preciso que os católicos sejam lógicos e coerentes com o que a Igreja lhes ensina.

          É hora, principalmente de os leigos agirem. Não fiquem se perguntando: o que a Igreja vai falar ou fazer sobre isso? Vocês também são a Igreja. A pergunta deve ser: o que nós estamos fazendo contra tudo isso? Não fiquem esperando pelos pastores. As ovelhas têm o direito de se defenderem dos lobos que as atacam. Falem, protestem, escrevam, alertem os filhos, os amigos. Gritem nas redes sociais! Pais de família, reajam! É preciso que o mundo escute a voz dos bons e saiba que ainda existem famílias corretas, pessoas de bem e de coragem que não concordam com a imposição dessas ideologias.

          “Unindo suas forças, os leigos purifiquem as instituições e as condições do mundo, caso estas incitem ao pecado. Isto de tal modo que todas essas coisas se conformem com as normas da justiça e, em vez de a elas se oporem, antes favoreçam o exercício das virtudes. Agindo dessa forma, impregnarão de valor moral a cultura e as obras humanas” (LG 36).

          Dom Prosper Guérranger (L’Année Liturgique), sobre o episódio em que um leigo, Eusébio, levantou-se em meio à multidão contra a impiedade de Nestório, salvando assim a fé de Bizâncio, comenta: “Há no tesouro da Revelação pontos essenciais, cujo conhecimento necessário e guarda vigilante todo cristão deve possuir, em virtude de seu título de cristão. O princípio não muda, quer se trate de crença ou procedimento, de moral ou de dogma. Traições como a de Nestório são raras na Igreja; não assim o silêncio de certos Pastores que, por uma ou outra causa, não ousam falar, quando a Religião está engajada.  Os verdadeiros fiéis são homens que extraem de seu Batismo, em tais circunstâncias, a inspiração de uma linha de conduta; não os pusilânimes que, sob pretexto especioso de submissão aos poderes estabelecidos, esperam, pra afugentar o inimigo, ou para se opor a suas empresas, um programa que não é necessário, que não lhes deve ser dado”.

          Campos dos Goytacazes, 26 de outubro de 2017

Dom Fernando Arêas Rifan
Bispo da Administração Apostólica Pessoal São João Maria Vianney

Fonte: http://blogfernandoleite.blogspot.com.br/2017/10/artigo-de-dom-fernando-rifan-sobre-o.html?spref=fb&m=1

sexta-feira, 27 de outubro de 2017

II ENCONTRO DIOCESANO DO TERÇO DOS HOMENS







      Com as graças e bênçãos de Deus, pela intercessão de Maria, Virgem e Mãe, foi realizado em Cândido Mendes – MA no dia 15 de outubro, o II Encontro Diocesano do Terço dos Homens. Contamos, aproximadamente, com a participação de 500 homens, além de algumas mulheres e crianças. 

      Fomos acolhidos no Salão paroquial pela Paróquia de Cândido Mendes com um farto café da manhã. Depois de um bom momento de animação, Pe. Nato, pároco de Cândido Mendes, deu as boas-vindas em nome da Paróquia. 

         Depois da chamada das Paróquias presentes, Pe. Cosmo Almeida (Vigário da Forania Nossa Senhora da Conceição) fez abertura dos trabalhos com uma breve oração. 
  
      Neste II Encontro Diocesano, o tema escolhido foi Terço dos Homens é preciso lançar as redes e o Lema “... avancem para as águas mais profundas, e lancem as redes para a pesca” (Lc 5,4). A Ir. Maria Helena de Cândido Mendes, com muitas dinâmicas, fez uma ótima apresentação do tema e lema, mostrando a todos a importância e a necessidade da missão que Jesus confiou a todos os batizados. 

      Às 10h40 celebramos a Santa Missa presidida por Pe. Nato e concelebrada por Pe. Cosmo Almeida e Pe. Raimundo Brito. Ao meio dia, paramos para o almoço. 

      À tarde, a partir das 14 horas, cada Paróquia, com seus grupos, apresentou seus respectivos membros, houve bons testemunhos de como é bom participar do Terço dos Homens.  Às 15 horas, dinamizado pelas Foranias, rezamos o terço mariano conforme o Manual (Terço dos Homens Mãe e Rainha- THMR). 

       Terminando o terço, começamos nossa romaria até a Igreja Matriz Nossa Senhora da Conceição. Foi uma caminhada muito alegre com cantos e testemunhos de fé. Chegando a Igreja Matriz da cidade foi feita a benção final e o envio. 

       Este foi um momento de muitas bênçãos e graças para estes homens devotos de Maria. Agradecemos a todos pela colaboração e participação. 

      Coordenação do Terço dos Homens e Pe. Raimundo Brito (assessor diocesano do Terço dos Homens).






sábado, 21 de outubro de 2017

IX AÇÃO MISSIONÁRIA DOS SEMINARISTAS DO MARANHÃO



   
            O Conselho Missionário dos Seminários (COMISE) é um organismo das casas de formação sacerdotal (Seminários) da Igreja Católica no Brasil. Conforme o Art. 2 do Estatuto do COMISE, este, tem como objetivo garantir uma sólida formação missionária aos candidatos ao sacerdócio. 

    Em virtude disso, aconteceu a IX Ação Missionária dos Seminaristas do Regional Nordeste V (Maranhão), realizada na Paróquia de Nossa Senhora das Dores – Diocese de Coroatá – cidade de Itapecuru Mirim, entre os dias 11 e 15 de outubro do ano corrente. Cujo o tema foi: Igreja em saída promovendo e defendendo a vida, e o lema: ''Jesus percorria todas as cidades e aldeias'' (Mt 9,35). 

   A missa de abertura da missão dos seminaristas foi presidida pelo padre Giuseppe Luigi, Reitor do Seminário São Bonifácio da Diocese de Viana, que atualmente é o assessor do COMISE – MA. Nesta mesma ocasião foi abençoada as cruzes missionárias, símbolo da fé católica e da missão dos cristãos e logo após foram distribuídas a todos os missionários.

       Os protagonistas dessa missão foram os 122 seminaristas diocesanos do Regional Nordeste V - Maranhão, dos cursos de Teologia, Filosofia e Propedêutico. No entanto, contou-se também com a participação efetiva dos seminaristas da Congregação do Coração de Jesus (Dehonianos) e os seminaristas Missionários do Sagrado Coração de Jesus (MSC). 

     Durante a semana missionária foram atendidas 55 comunidades, situadas na zona rural e urbana da cidade de Itapecuru. Mirim. As atividades realizadas foram: visitas às famílias, oração do terço, Celebração da Palavra, celebração da Santa Missa, encontro com os jovens, encontro com os coordenadores de comunidades, encontro com as crianças, encontro bíblico, Via Sacra a partir das dificuldades da comunidade.

    A missão encerrou no domingo, dia 15 de outubro, às 10 horas, com a Santa Missa presidida pelo Bispo de Coroatá, Dom Sebastião Bandeira e concelebrada pelos padres que atuaram na missão. Logo após a Solene Missa, houve o almoço para todos e em seguida todos se dirigiram para São Luís, retornando para as suas respectivas Casas de Formação. 




                           ORAÇÃO DO COMISE

Ó Deus de bondade, que em Cristo nos revelastes vosso plano de amor e salvação, olhai com bondade para a missão confiada à vossa Igreja de ser sacramento universal de salvação. Fecundai em nossos corações o ardor pela missão continental, para que levando a todos os povos vossa mensagem, façam com que todos sejam vossos discípulos missionários.
E fazei ainda, que desta terra, as sementes da fé cultivadas pelo labor de tantos missionários e missionárias, possam se transformar em nossas vidas num novo ardor profético e missionário. Maria, Mãe da Igreja, ajudai-nos a servir a Deus e aos irmãos na construção do Reino de justiça e paz. Por Cristo nosso Senhor. Amém.