OBJETIVO GERAL


OBJETIVO GERAL:
Evangelizar a partir de Jesus Cristo e na força do Espírito Santo, como Igreja discípula, missionária, profética e misericordiosa, alimentada pela Palavra de Deus e pela Eucaristia, à luz da evangélica opção preferencial pelos pobres, para que todos tenham vida (Jo 10,10), rumo ao Reino definitivo.


quinta-feira, 17 de agosto de 2017

COMUNICADO EPISCOPAL



FIAT MISERICORDIA TUA 


Amados Filhos e Filhas da Diocese de Zé Doca



          Ao receber os pedidos de ordenação diaconal dos seminaristas: Emerson Adriano Mendes de Andrade e Luís Henrique Nina Baltazar, depois de obter o parecer do Padre Pedro Eduardo (atual reitor do Seminário Maior) e Padre Agnaldo (o reitor até março de 2017); encaminhei ao clero da nossa Diocese uma consulta sobre a idoneidade dos candidatos. Agradeço a todos os padres que colaboraram comigo neste discernimento, enviando ou entregando suas cartas (é um gesto concreto de se sentir corresponsável pela nossa Igreja Particular de Zé Doca).     

          Concluída a consulta e depois de muita oração, decidi aceitar para a ordenação diaconal os seminaristas: Emerson Adriano e Luís Henrique. Parabenizo os dois e continuo rezando para que sejam verdadeiros e zelosos discípulos de Jesus a serviço do nosso povo.

          A ordenação diaconal foi marcada para o dia 18 de novembro de 2017 (sábado), na Catedral de Santo Antônio, em Zé Doca. No mesmo final de semana (17 a 19 de novembro), acontecerá nossa Assembleia Diocesana de Pastoral, então o clero, os religiosos, as religiosas e as lideranças de todas as paróquias da Diocese estarão presentes.

          Tenho também a alegria de informa-los que, se Deus permitir e ajudar, os dois diáconos farão experiência missionária - pastoral com os Oblatos na Bolívia, por um período de pelo menos 6 meses (no ano de 2018).   
   
          A todos que colaboraram no processo formativo de Emerson Adriano e Luís Henrique meus sinceros agradecimentos. As famílias deles também agradeço pela colaboração e peço que continuem orando pelos seus filhos. 

          E finalmente a vocês, meus amados filhos: Emerson Adriano e Luís Henrique, desejo de coração muitas bênçãos de Deus e que o zelo apostólico sempre ilumine vossa caminhada.

          Peço ao Povo de Deus que rezem por eles, pelas vocações e por todos/todas os que estão trabalhando na messe do Senhor, na nossa amada Diocese de Zé Doca.

          Com minhas bênçãos e abraços

 
+Dom João (Jan) Kot, OMI
Bispo de Zé Doca - MA

Zé Doca, 17 de agosto de 2017

quarta-feira, 16 de agosto de 2017

DECRETO EPISCOPAL: SANTUÁRIO DIOCESANO DE NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO APARECIDA



 FIAT MISERICORDIA TUA 



Decreto episcopal Nº 01/2017




DOM JOÃO KOT, OMI
POR MERCÊ DE DEUS E SÊ APOSTÓLICA, 
BISPO DIOCESANO DE ZÉ DOCA

          Aos que este nosso Decreto virem, saudação, paz e bênção no Senhor.

          Ao encerrar a peregrinação diocesana da imagem jubilar de Nossa Senhora da Conceição Aparecida, para maior glória de Deus e o bem dos Filhos e Filhas de Deus da Diocese de Zé Doca, com minha autoridade episcopal decreto, crio e estabeleço:

          1. A partir do dia 12 de agosto de 2017, a igreja de Nossa Senhora Aparecida, em Araguanã – MA, como SANTUÁRIO DIOCESANO.   

          2. Também, a partir da mesma data, cada pároco, em Araguanã, se torna o REITOR DO SANTUÁRIO DIOCESANO DE NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO APARECIDA. 

          Agradeço a Nossos Irmãos e Nossas Irmãs, da Paróquia São Sebastião e Nossa Senhora Aparecida, ao seu Pároco, Reverendíssimo Padre Antônio Máximo Ribeiro Verde, pelos trabalhos já realizados, pelo testemunho de fé e pelo amor fraternos para com todos. 

          Desejo que este SANTUÁRIO DIOCESANO DE NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO APARECIDA, que hoje é confiado aos vossos cuidados, seja como Belém, Jerusalém ou Nazaré, onde Maria acolhe os Romeiros e as Romeiras, e sempre os leva ao encontro com Jesus Cristo – Salvador e Libertador de todos, onde as lágrimas serão enxugadas e as feridas saradas.

          Ao Povo de Deus da nossa Igreja Particular de Zé Doca peço, que este primeiro SANTUARIO DIOCESANO seja acolhido como sinal da Providência Divina e desejo que cada um que visitar este lugar encontre todos os incentivos de fé para levar uma vida cristã digna e colaborar com a salvação de todos.   
  
          Com a minha bênção,


+Dom João (Jan) Kot, OMI
Bispo de Zé Doca - MA

Zé Doca – Araguanã – MA, 12 de agosto de 2017









 





Fotos: Marcone - Nova Olinda do Maranhão

07 DE SETEMBRO: JORNADA DE ORAÇÃO PELO BRASIL

JORNADA DE ORAÇÃO PELO BRASIL
Semana da Pátria: 1º a 07 de setembro de 2017
07 de setembro - dia da Pátria: Vida em primeiro lugar
“A paz é o nome de Deus” (Papa Francisco)



         Diante de um momento difícil e de apreensão no Brasil. A realidade econômica, política, ética vem acompanhada de violência e desesperança. A CNBB, ao refletir o momento vivido, sugeriu um Dia de jejum e oração pelo Brasil. E que pudesse rezar nas comunidades e famílias uma oração, conforme abaixo, no dia 7 de setembro próximo.

          Dirijamos nossa oração a Deus, pedindo a bênção da paz para o Brasil:

ORAÇÃO

Pai misericordioso, nós vos pedimos pelo Brasil!

Vivemos um momento triste, marcado por injustiças e violência. Para construirmos a justiça e a paz, em nosso país, necessitamos muito do vosso amor misericordioso, que nunca se cansa de perdoar. 

Pai misericordioso, nós vos pedimos pelo Brasil!

Estamos indignados, diante de tanta corrupção e violência que espalham morte e insegurança. Pedimos perdão e conversão. Nós cremos no vosso amor misericordioso que nos ajuda a vencer as causas dos graves problemas do País: injustiça e desigualdade, ambição de poder e ganância, exploração e desprezo pela vida humana.  

Pai misericordioso, nós vos pedimos pelo Brasil!

Ajudai-nos a construir um país justo e fraterno. Que todos estejamos atentos às necessidades das pessoas mais fragilizadas e indefesas! Que o diálogo e o respeito vençam o ódio e os conflitos! Que as barreiras sejam superadas por meio do encontro e da reconciliação! Que a política esteja, de fato, a serviço da pessoa e da sociedade e não dos interesses pessoais, partidários e de grupos.

Pai misericordioso, nós vos pedimos pelo Brasil!

Vosso Filho, Jesus, nos ensinou: “Pedi e recebereis”. Por isso, nós vos pedimos confiantes: fazei que nós, brasileiros e brasileiras, sejamos agentes da paz, iluminados pela Palavra e alimentados pela Eucaristia. 

Pai misericordioso, nós vos pedimos pelo Brasil!

Vosso filho Jesus está no meio de nós, trazendo-nos esperança e força para caminhar. A comunhão eucarística seja fonte de comunhão fraterna e de paz, em nossas comunidades, nas famílias e nas ruas. 

Pai misericordioso, nós vos pedimos pelo Brasil!

Neste ano em que celebramos os 300 anos do encontro da imagem de Nossa Senhora Aparecida, queremos seguir o exemplo de Maria, permanecendo unidos a Jesus Cristo, que convosco vive, na unidade do Espírito Santo. 

Amém!

(Pai nosso! Ave, Maria! Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo!)

19º ASSEMBLEIA REGIONAL DE PASTORAL EM SÃO LUIS: A IGREJA NO MARANHÃO E OS DESAFIOS NO MUNDO URBANO


          Entre os dias 13 a 17 de junho, o Regional Ne 5 (CNBB) realizou sua 19º Assembleia Regional de Pastoral em São Luis, com o tema: A Igreja no Maranhão e os desafios no mundo urbano.

          Para a assessoria da referida Assembléia, contou-se com a presença, do Padre Francisco Aquino Júnior da Diocese de Limoeiro do Norte (CE). Fizeram-se presentes também todos os bispos do Regional e representantes de todas as pastorais regionais e organismos.

          De acordo com o Pe. Aquino Júnior, o Brasil se tornou um país fundamentalmente urbano. Praticamente 85% da população brasileira vive em cidades. Se em décadas passadas, a maioria do povo vivia no campo, hoje a imensa maioria da população brasileira vive em cidades, e mais de 50% vive em cidades que tenha acima de cem mil habitantes. Segundo o Aquino Júnior, essa é uma característica do Brasil de hoje; contudo, o problema é que as cidades brasileiras foram construídas historicamente de uma forma profundamente desigual e injusta. O processo de êxodo rural que foi levando milhares de pessoas do campo para a cidade em busca de trabalho, moradia, saúde, escola... Acabou criando uma frustração nessas pessoas que tinham expectativas de melhoria de vida e chegando, não encontraram isso que esperavam, sendo empurradas dessa forma, para as periferias, e áreas de riscos e nunca dispuseram de serviços oferecidos pela cidade. Tal fato foi criando situações ou cidades extremamente desiguais e injustas, de modo que a maioria do povo da cidade, não dispõe dos serviços que a mesma oferece. Vivem em moradias precárias, com falta de saneamento, de saúde, educação, transportes públicos deficientes... Com um contexto de profunda desigualdade social, gerou-se um conjunto de outros problemas na cidade, tais, como: o crescimento de violência que apareceu de diferentes formas e que vai criando todo um ambiente psicológico, social e de insegurança tremenda; os assaltos consistentes dos mais diversos tipos, o medo de ser analfabeto, os conflitos de gangues... E por aí vai. Tem-se no Brasil uma das maiores populações carcerárias do mundo. Toda essa situação que gera insegurança na população. O que vai quebrando os vínculos de solidariedade e ao mesmo tempo, vai criando na sociedade o desejo de ser eliminado. Todos aqueles que são uma ameaça na sociedade. Por isso cresce nas cidades, aquela ideologia alimentada por muitos políticos como Bolsonaro de que Bandido bom é bandido morto e de que aqueles que cometem crimes devem ser alimentados. Com isso está se criando um ambiente em que a vida é sempre uma ameaça. Tudo isso tem como base, este contexto de profunda desigualdade social, porque a maioria do povo esta excluída dos serviços oferecidos de condições de vida digna, de modo que tem-se uma cidade profundamente injusta.

          Este foi um dos temas centrais abordado na Assembléia pelo padre Aquino Junior, pois segundo o mesmo, para se passar a ação de Igreja na cidade, precisa-se levar em conta a forma que a mesma esta configurada.

          Diante disso, surge uma indagação: Se a igreja continua sendo uma boa noticia para a cidade, até que ponto a fé pode ser elemento de novas relações e partir daí, da nova configuração da cidade?

          O Padre Aquino Junior, elencou três aspectos que acha de fundamental importância, para a Igreja seja boa noticia para a cidade, a saber: A voltar ao essencial, o encontro com Jesus no Evangelho do Reino. Investir na formação de comunidades e serviço da comunidade.

          Precisa-se voltar ao essencial, ou seja, o encontro com Jesus Cristo, a adesão ao Evangelho do Reino. Tem-se isso igreja de muita devoção e pouca fé e seguimento a Jesus. As (comunidades em geral, vivem em função de praticas devocionais que tem sua importância), mas na medida em que se torna o centro, o essencial vai se perdendo. O essencial é o encontro de Jesus do Evangelho. A fé é um modo de vida fraterna e não pratica de ritos. É o lugar onde se aprende a viver como irmãos a perdoar o outro, a sentir-se próximo de quem sofre, a sentir como nossos os problemas e as dores dos outros.

          De acordo com o Padre Aquino Júnior, isso é o que menos conta em nossas comunidades. Tem-se de tudo nas comunidades, terço dos homens, das mulheres, das crianças, mãe rainha, novena das mãos ensanguentadas... E acaba por se ter dificuldade de visitar os doentes e idosos, encarecidos da comunidade. Faz-se necessário pensar a missão da igreja a partir do Evangelho de Jesus. O dogma maior do cristianismo é o amor.

          Precisa-se investir na formação de comunidades, (pequenas comunidades) onde seja lugar de oração, vida fraterna, escuta da palavra e da comunidade. A fé não é doutrina, e se traduz em um modo de vida que nos torna irmãos. A comunidade não pode ser o lugar de somente executar atividades, de investir, do culto, mas, sobretudo o lugar que se vivencia a fé, pois sem o enraizamento comunitário, as expressões se tornam superficiais. Investir na formação de pequenas comunidades onde se vivencie esses valores é fundamental.

          Serviço da comunidade => a comunidade que não serve aos sofredores, se afastaram de Jesus. Misericórdia é um jeito de ser de Jesus e da sua Igreja, pois ela nos toma afins de Deus. 

          A opção pelos pobres é teocêntrica, cristológica e pneumológica. Devemos amá-los não porque são bons ou maus e sim porque Deus é bom. Dessa forma, a presença da Igreja na cidade, tem de ter um dinamismo da misericórdia aos mais excluídos. É preciso colocar no coração da Igreja, o que está no Coração de Jesus: os miseráveis desse mundo.

          A comunidade deve estar envolvida nos problemas concretos das pessoas, tocar na carne crucificada do Senhor. Neste sentido, todas as atividades são importantes na Igreja, à medida que estão em função do serviço aos outros. Sem a dinâmica da comunidade, perde seu sentido.

          Perspectiva pastoral apontada pelo Padre Aquino Junior, é a criação de vários serviços por parte da igreja aos grupos vulneráveis e excluídos. Tais como: serviço de acompanhamento a doentes, a idosos abandonados, serviço de acompanhamento aos encarcerados, da visita e preocupação com a vida deles lá fora, assim como o acompanhamento de processos e das torturas que acontecem nas delegacias de denunciar e defender o direito dos encarcerados. Serviço às mulheres e aos homens que vivem da prostituição, serviço de defesa das pessoas gays, lésbicas, travestis, transexuais que se tem muita dificuldade e preconceito na Igreja, serviços às pessoas com deficiências. Lutos nos bairros por moradia, regularização da terra, por água, por esgoto, por transporte. Serviço de acompanhamento aos catadores de materiais recicláveis, à população de rua, às crianças que moram nas ruas da cidade...

          A Igreja precisa criar muitos serviços para atender as necessidades dos pobres e sofredores. Essa é grande boa notícia que ela tem para dar a cidade. A Igreja do Senhor não é a que vive dentro do templo rezando, nem tão pouco a igreja que cultiva muitas devoções e sim, aquele que como Ele, sai ao encontro de quem sofre, sai ao encontro das necessidades das pessoas mais vulneráveis de nossa cidade.

Faz-se necessário voltar ao evangelho de Jesus e descobrimos a grande boa notícia, que somos irmãos e viver isso com alegria, pois não temos muita coisa a oferecer ao mundo, temos o essencial que é o amor, a bondade, a compaixão... A igreja não é uma instituição de investimento religioso, Ela deve ser como disse o Papa Francisco, um oásis da comunidade, da fraternidade. É preciso encontra-se com o Senhor, para encontrar-se com os irmãos e se colocar a serviço de quem mais precisa.



terça-feira, 15 de agosto de 2017

II FESTVOC - JOVEM, VENHA PARTICIPAR CONOSCO!

II FESTIVAL VOCACIONAL...

          JOVEM, VENHA PARTICIPAR CONOSCO!

                    SÁBADO DIA 19/08/2017 A PARTIR DAS 08HS 

                              LOCAL: PARÓQUIA SANTA LUZIA DO PARUÁ

video

Organização: Pastoral Vocacional e Paróquias de Centro do Guilherme, Nova Olinda, Presidente Médici e Santa Luzia do Paruá

segunda-feira, 7 de agosto de 2017

VOCAÇÃO EXISTE..!



          Agosto é tradicionalmente o Mês Vocacional. Muito se fala, ultimamente, de crise e de diminuição das vocações. A messe cresce sempre mais e o número de operários da vinha do Senhor diminui também sempre mais. Os ordenados e os consagrados envelhecem e as novas gerações optam por outros caminhos vocacionais. Mas, vocação existe, existiu e continuará existindo. Como tudo na vida, precisa ser descoberta, despertada, promovida e cultivada. A crise vocacional é proporcional à credibilidade eclesial e a vitalidade da vida cristã. Quanto mais fraca e frágil forem a eficiência e a eficácia eclesiais, menos vocações teremos.

          A Igreja cultiva e promove as vocações mais por atração do que por proselitismo. Vocação é um mistério teândrico (divino-humano). Mais divino do que humano ou mais humano do que divino? Mais divino e mais humano. Para cada vocação, uma ação, uma missão e uma oração. Jesus, o primeiro promotor vocacional, comparou a questão vocacional a uma roça. Chamou o mundo de messee a humanidade de operário. Dele é que nos vem a inspiração do divino-humano cuidado e cultivo vocacionais, sincronizados: ação-oração: “a colheita é grande, mas os trabalhadores são poucos. Pedi, pois, ao Senhor da colheita que envie trabalhadores para sua colheita” (Lc 10,2; Mt 9,37-38). O milagre da ciência e da tecnologia do agronegócio está aí para comprovar: “o chão dá se a gente plantar. Se a gente não planta, o chão não dá”. Ouvi, muitas vezes, meu pai dizer: “o boi, o arroz, o milho e o feijão crescem com os olhos do dono”.
   
          Sofremos muito com os queixumes, por conta da diminuta vitalidade da atividade vocacional. Lamentamos sempre a perca e a diminuição das vocações. E é um fato. Os dados estatísticos estão aí para comprovar. Contra fatos não há argumentos. Mas não podemos ficar estacionados, na defensiva, achando que a culpa é de Deus ou da sociedade, sem assumir o nosso protagonismo. Lembro-me de um antigo cartaz vocacional que dizia: “toda vocação é graça sua”. Este “sua”tanto pode ser atribuído à graça divina como à ação humana. Toda vocação é um dom de Deus. Nossa é a missão de cuidá-la e cultivá-la. Se no final dos esforços vocacionais não tivermos vocações que a comunidade precisa, ainda assim, devemos nos render e afirmar: vocação existe. Basta descobri-la, cultivá-la e promovê-la.

          Como o Reino dos céus (Mt 13,44-45), a missão de um promotor vocacional se assemelha a de um caçador de tesouros escondidos. Ao encontrar uma pepita de ouro, um diamante ou outra pedra preciosa, é preciso garimpar, tirar os cascalhos e as impurezas, a fim de que o esplendor da glória de Deus possa brilhar (Mt 5,16). Quem ama a sua vocação, ama a vocação dos outros. Quem ama, cuida.

          Maria, a vocacionada do Pai, disse que devemos fazer tudo o que o Jesus nos disser (Jo 2,5). A nossa ação é fundamental, como é fundamental a oração pelas vocações. Meu professor, Achille Triacca, dizia:“reze bem a missa e terá vocações. Reze mal a missão e não terá vocações”. Por isto, reze comigo esta simples oração vocacional: “Senhor, envie mais missionários presbíteros, mais missionários diáconos, mais missionários consagrados e consagradas, mais missionários leigos e leigas, para o serviço do vosso povo, na vossa Igreja. Amém!”



Dom Pedro Brito Guimarães,
Arcebispo Metropolitano de Palmas - TO


Fonte: https://arquidiocesedepalmas.org.br/noticia/vocacao-existe/4910

sexta-feira, 4 de agosto de 2017

CONSELHO E NÚCLEO DIOCESANO DA RCC ZÉ DOCA SE REÚNE PARA RETIRO

       A Renovação Carismática Católica da Diocese de Zé Doca esteve reunida nos dias 30 de junho, 01 e 02 de julho de 2017 em “Retiro Diocesano de Oração e Escuta Profética para Conselho e Núcleo Diocesano”.    

       O Retiro foi realizado no Seminário Propedêutico Sagrada Família, e teve início na sexta feira às 19hs com momento de oração e conclusão da campanha de oração pelo retiro. No dia seguinte, a manhã foi inteiramente à Virgem Maria, primeiro com a meditação do terço e logo após com consagração a mãe de Deus. No período da tarde foi realizado um momento de Adoração a Jesus na Eucaristia. No final da tarde, teve a celebração da Santa Missa, presidida por Dom João Kot, OMI, que na homilia falou que as leituras do dia foram feitas especialmente para o momento que a RCC Zé Doca estava vivendo e destacou o refrão do responsório: “O Senhor se lembrou de mostrar sua bondade”. No final da Santa Missa, todo o conselho e núcleo fez um momento de oração pelo bispo e colocou toda a Diocese de Zé Doca nessa oração.           

       No último dia (domingo), foi realizado um momento de cura interior na presença de Jesus na Eucaristia. 
          
       O Retiro foi um marco para toda a Renovação Carismática Católica da diocese, momento de muita espiritualidade com todos os coordenadores de Grupos de Oração e coordenadores diocesanos de ministério. 

       Além de tudo que fora supracitado, fora empossada como Coordenadora Diocesana do Ministério Jovem, Laísa de Kássia, que agora responderá pelo ministério na diocese. Agradecemos ao Jovem, Edivaldo Moraes que estava à frente do ministério até então.









quinta-feira, 3 de agosto de 2017

COMUNICADO EPISCOPAL




FIAT MISERICORDIA TUA 

          Amados Filhos e Filhas de Deus e de Maria


          Está chegando ao fim a peregrinação da imagem de Nossa Senhora da Conceição Aparecida na nossa Diocese. Há três meses a Mãe de Jesus, através da imagem, visita os seus Filhos e Filhas que habitam na Diocese de Zé Doca, passando pelas cidades, povoados, comunidades, campos, repartições públicas, hospitais, prisões, etc... Meses de muitas bênçãos e graças.

          E, como já é de conhecimento, o encerramento será na Cidade de Araguanã no dia 12 de agosto de 2017, onde contaremos com a seguinte programação: 

          - Dia 11 de agosto de 2017, a Imagem Peregrina será solenemente transladada da igreja São Sebastião para a igreja Nossa Senhora Aparecida às 17hs, onde acontecerá a procissão terrestre e fluvial. E na chegada, a Missa de acolhida e instalação da imagem na igreja matriz, que a partir daquela data será sua casa na nossa Diocese.
   
          - Dia 12 de agosto de 2017 às 18hs, haverá a Missa solene de encerramento da peregrinação diocesana com a participação dos padres, religiosos e religiosas, seminaristas e o Povo de Deus. Depois da Missa um show religioso com barracas de vendas diversas.

TODOS ESTÃO CONVIDADOS! 

          Com minha bênção e abraços,


+Dom João (Jan) Kot, OMI
Bispo de Zé Doca - MA

Zé Doca, 03 de agosto de 2017